Venezuela: dois aviões russos com 100 soldados aterram no aeroporto de Caracas

As ligações entre Moscovo e a Venezuela ficaram mais fortalecidas nos últimos meses, após o agravamento das relações entre os EUA e a Venezuela. Em dezembro, a Rússia enviou dois aviões da força aérea como parte de um exercício militar.

Rússia, Vladimir Putin

Dois aviões militares russos aterraram em Caracas, o principal aeroporto da Venezuela no passado sábado, alegadamente transportando dezenas de tropas e uma grande quantidade de equipamentos. Os aviões foram enviados para “cumprir contratos militares”, segundo informou a agência de notícias russa “Sputnik”, revela esta segunda-feira a “BBC”.

Javier Mayorca, jornalista venezuelano, escreveu no Twitter que viu cerca de 100 soldados e 35 toneladas de equipamentos descarregados dos aviões, que surgem três meses depois das duas nações terem realizado exercícios militares em conjunto.

A Rússia é desde há muito tempo aliada da Venezuela, emprestando milhões de dólares ao país sul-americano, apoiando a sua indústria petrolífera e militar. Os russos mostraram-se também contra as sanções dos EUA para com o Governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro.

Um avião militar com uma bandeira russa na fuselagem foi visto na pista de um aeroporto no domingo. Foram ainda divulgadas imagens nas redes sociais, para mostrar as tropas russas reunidas no aeroporto.

As ligações entre Moscovo e a Venezuela ficaram mais fortalecidas nos últimos meses, após o agravamento das relações entre os EUA e a Venezuela. Em dezembro, a Rússia enviou dois aviões da força aérea como parte de um exercício militar.

A Rússia condenou outras potências estrangeiras pelo apoio ao líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, que se declarou presidente interino em janeiro. O presidente Nicolás Maduro acusou Juan Guaidó de tentar montar um golpe contra ele com a ajuda dos “imperialistas dos EUA”.

Ler mais
Recomendadas

Donald Trump elogiou atuação responsável de Xi Jinping sobre protestos em Hong Kong

As manifestações, que se iniciaram há sete semanas , evoluíram da contestação à lei da extradição, que permitia o envio para a China de fugitivos ou suspeitos de crimes refugiados no território de Hong Kong, até reivindicações mais amplas sobre a melhoria dos mecanismos democráticos da cidade.

Partido do presidente de Ucrânia com vitória praticamente assegurada

Primeiro a presidência, agora o governo: o ator Volodimir Zelenski está a transformar a Ucrânia num pais totalmente novo. O novo Parlamento vai ser radicalmente diferente do que foi até aqui.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários