PremiumBES: Venezuela exige dois mil milhões ao Fundo de Resolução

A reclamação de créditos pela petrolífera estatal venezuelana PDVSA refere-se à compra de papel comercial e obrigações, bem como dinheito em contas à ordem do BES.

A empresa Petróleos da Venezuela (PDVSA) exige o pagamento de mais de dois mil milhões de euros referentes à compra de papel comercial ao Fundo de Resolução (FdR), entidade que pagará aos credores comuns 31,7% das perdas do BES.

A reclamação de créditos  refere-se à compra de papel comercial e obrigações, bem como dinheito em contas à ordem. E foi entregue à comissão liquidatária do BES, na passada sexta-feira, 8 de março, último dia do prazo para os “lesados” reclamarem os seus créditos em sede de liquidação.

Esta notícia pode ser lida na sua totalidade na edição desta semana do Jornal Económico (acesso pago).

“A PDVSA e as suas filiais portuguesas PDV Europa e Petrovenez Portugal, reclamaram créditos no valor superior a dois mil milhões de euros, no âmbito do processo de liquidação de património do BES”, revelou ao Jornal Económico Miguel Matias, advogado da petrolífera venezuelana, no âmbito do processo de reclamação que surge quatro anos e meio depois da intervenção no banco que foi liderado por Ricardo Salgado.

 

Relacionadas

PremiumPetróleos da Venezuela exige dois mil milhões de euros ao Fundo de Resolução

Petróleos da Venezuela e subsidárias portuguesas reclamam créditos em sede de liquidação do BES. Valores referem-se a aplicações e depósitos.
Recomendadas

COTEC Portugal lamenta morte de João Vasconcelos, “o autor do futuro”

“Na memória da sua curta vida, João Vasconcelos é um autor do futuro, com contribuição inigualável para o progresso da inovação empresarial, o empreendedorismo e as políticas públicas”, diz a COTEC, liderada por Jorge Portugal.

CGD: BE questiona EY sobre créditos aprovados com base em “concorrência de mercado”, apesar de pareceres negativos

A responsável da auditoria da EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, Florbela Lima, revela que a auditora não avaliou “qualidade das decisões” como créditos aprovados com risco negativo. A resposta foi dada à deputada do BE, Mariana Mortágua, na comissão parlamentar de inquérito (CPI) à gestão da CGD, que arrancou nesta terça-feira, 26 de março, os trabalhos no Parlamento.

Licínio Pina espera que Governo devolva Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo este ano

O Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo tem um volume de 300 milhões mas só 200 milhões serão devolvidos à esfera da gestão da Caixa Agrícola.
Comentários