Venezuela: Supremo Tribunal de Justiça volta atrás e já não vai assumir os poderes do Parlamento

O Conselho de Defesa da Nação da Venezuela exigiu, este sábado, o Tribunal Supremo de Justiça a rever as sentenças que este emitiu há três dias retirando do Parlamento, de maioria oposicionista, as suas atribuições legislativas.

O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ), indicou no seu site que anulava a decisão de assumir os poderes legislativos da Assembleia Nacional, o que os opositores denominaram como um “golpe de Estado”.

O presidente venezuelano tinha anunciado hoje que o STJ iria rever a sua decisão de ficar com os poderes do parlamento, horas antes de várias manifestações previstas contra aquela posição.

A Agência Lusa avança que os representantes das principais instituições do país reuniram-se na noite de sexta-feira, no âmbito do Conselho de Segurança Nacional, e decidiram, segundo o texto divulgado, “exortar” o Supremo Tribunal a “rever as decisões” em causa “a fim de manter a estabilidade institucional e o equilíbrio de poderes”.

A decisão do STJ, favorável a Maduro, de assumir os poderes da Assembleia Nacional e de privar os deputados da sua imunidade, suscitou a reprovação internacional, nomeadamente da União Europeia, dos EUA e das Nações Unidas, e reações de vários quadrantes da sociedade da Venezuela.

Uma reunião tinha sido convocada de urgência pela Organização dos Estados Americanos (OEA) para segunda-feira, em Washington.

Recomendadas

António Guterres promete ser “construtor de pontes” em segundo mandato à frente da ONU

Único candidato formal a secretário-geral das Nações Unidas, por ter sido o único a ser nomeado por um Estado-membro (Portugal) e a ser validado pelo Conselho de Segurança da ONU, António Guterres apresentou-se esta sexta-feira à Assembleia Geral.

Falta de mão de obra limitou crescimento do emprego nos Estados Unidos em abril

As empresas do sector não agrícola contrataram só 266 mil empregados, depois dos 770 mil verificados no mês de março. A taxa de desemprego subiu para os 6,1% em abril, mais 0,1 pontos percentuais do que o registado no mês anterior.

“Sem voto impresso não haverá eleição”. Bolsonaro quer acabar com voto eletrónico

“A única republiqueta do mundo que aceita essa porcaria de voto eletrónico é a nossa. Tem de ser mudado”, disse Jair Bolsonaro.
Comentários