Verão quente de 2019: Portugal vai ser varrido por ondas de calor com mais de 43 graus e fogos florestais

Metereologista faz uma previsão negra do próximo verão: Ondas de calor intensas e regulares, fraca qualidade do ar, incêndios florestais, noites muito quentes, casas sem ar condicionado mais expostas ao calor.

Carlos Barroso / Lusa

Falta um mês para o verão começar, e os alertas sobre o verão quente de 2019 já começam a soar. Uma previsão divulgada pelo site especialista em meteorologia AccuWeather deixa vários alertas aos cidadãos e autoridades sobre as “ondas de calor perigosas” na Península Ibérica.

“A maior história do verão deve ser a longa duração das ondas de calor que vão afetar áreas de Portugal e Espanha até à Polónia e Hungria”, segundo a previsão feita pelo meteorologista Eric Leister, apontando que o calor vai começar a sério já em junho.

“O calor vai ser mais persistente do que durante o último verão, quando temperaturas recorde foram registadas em partes de Portugal (…) mas geralmente duraram apenas uma semana de cada vez”, de acordo com a previsão.

“Mesmo quando as ondas de calor mais intensas dissiparem, [a redução da temperatura] vai ser breve e as temperaturas vão permanecer perto ou acima do normal antes de regressarem a níveis perigosos novamente”, alerta.

Os locais mais quentes em Portugal, e também em Espanha, vão registar várias ondas de calor durante vários dias com temperaturas de ou acima dos 43 graus centígrados.

As noites muito quentes também vão ser uma “preocupação durante as ondas de calor, pelas condições perigosas em casas sem ar condicionado que vão ser incapazes de arrefecer antes do calor começar no dia seguinte”.

Em relação aos incêndios, o AccuWeather também alerta que os “fogos florestais vão ameaçar Portugal, Espanha e os Alpes. A Península Ibérica vai estar em risco devido ao calor registado em junho combinado com pouca ou nenhuma chuva”, segundo o site de metereologia.

O site destaca o norte de Portugal Continental como um dos locais de maior risco. “As áreas de maior risco vão ser entre o norte de Portugal e o norte de Espanha e entre os Alpes e a Alemanha e a República Checa”.

O AccuWeather deixa cinco conselhos para os dias muito quentes de verão:

  • Beber muita água
  • Passar tempo na sombra
  • Usar roupa clara
  • Atividade cansativa no exterior deve ser evitada durante as horas de maior calor
  • Crianças, idosos, e pessoas com problemas respiratórios ou cardiovasculares devem evitar passar tampo no exterior, quando os alertas sobre a qualidade do ar são emitidos

 

Ler mais
Relacionadas

Incêndios: Governo anuncia concurso para admissão de 200 novos guardas florestais

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu que o Executivo socialista tem vindo a reforçar a prevenção e combate a incêndios, “apostando na capacitação e profissionalização dos diferentes agentes”.

Meios aéreos impedidos de voar no dia em que aumenta risco de fogo

O Ministério da Defesa garante que “tomará as medidas ao seu alcance para que haja meios suficientes e prontos para atuar”.

Estado pagará este ano 6,7 milhões a feridos graves devido aos incêndios

O primeiro-ministro revelou hoje que o Estado prevê pagar este ano um total de 6,7 milhões de euros em indemnizações aos feridos graves dos incêndios e que só cinco dos 73 pedidos apresentados está ainda em análise.
Recomendadas

Incêndios: atrasados pagamentos aos bombeiros do Dispositivo de Combate

As remunerações aos bombeiros integrados no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), referentes a junho, estão atrasadas.

Novo presidente da Comunidade Islâmica assegura “sapiência” e “bom senso”

O novo presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa (CVIL), Mahomed Iqbal, aponta como prioridades a juventude, a mulher e o diálogo inter-religioso.

Portugal regista mais 328 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal contabiliza agora 43.897 casos confirmados da doença. O número de vítimas mortais do novo coronavírus no país aumentou para 1.614. A taxa de crescimento diário fixou-se nos 0,75%, sendo que mais de 70% dos novos casos foram na região de Lisboa e Vale do Tejo.
Comentários