Viajantes do Reino Unido, Brasil, França ou Itália vão ter de cumprir 14 dias de isolamento à chegada ao país até 15 de abril

No caso dos cidadãos não residentes em Portugal, está previsto que após a chegada a Portugal podem deslocar-se para o seu hotel ou alojamento, mas comprovando a sua estadia.

O Governo prolongou esta segunda-feira, 29 de março, as restrições às viagens aéreas até às 23h59 do dia 15 de abril, anunciou hoje o ministério da Administração Interna.

Os viajantes que cheguem ao país vindos do Reino Unido, Brasil ou África do Sul são obrigados a cumprir isolamento profilático de 14 dias, assim como países onde a taxa de incidência seja igual ou superior a 500 casos por 100 mil habitantes (como é o caso de França ou Itália), sendo estas regras aplicáveis também a quem entra por uma fronteira terrestre.

As regras determinam que:

1 – Todos os cidadãos que cheguem a Portugal por via aérea (exceto as crianças que não tenham completado 24 meses de idade) têm de apresentar comprovativo de realização de teste laboratorial (RT-PCR) para rastreio da infeção por SARSCoV-2, com resultado negativo, realizado nas 72 horas anteriores ao momento do embarque;

2 – Os passageiros que chegam a território nacional sem o comprovativo de realização do teste para despiste da infeção por SARSCoV-2 têm de o realizar no interior do aeroporto, a expensas próprias, através de profissionais de saúde habilitados para o efeito, e têm de aguardar o resultado no próprio aeroporto;

3 – Os voos de e para o Brasil e o Reino Unido estão suspensos – apenas estão permitidos os voos de repatriamento – e os cidadãos que cheguem ao nosso país provenientes destes países, bem como da África do Sul, nos voos de repatriamento ou através de escalas, têm não só de apresentar o comprovativo de teste negativo como cumprir um período de isolamento profilático de 14 dias;

4 – Os passageiros provenientes de países onde se regista uma taxa de incidência igual ou superior a 500 casos por 100 mil habitantes só podem efetuar viagens essenciais e também estão sujeitos a isolamento profilático de 14 dias. Na lista destes países constam a Bulgária, Chéquia, Chipre, Eslovénia, Estónia, França, Hungria, Itália, Malta, Polónia e Suécia;

5 – Os passageiros provenientes de países onde se regista uma taxa de incidência igual ou superior a 150 casos por 100 mil habitantes também só podem efetuar viagens essenciais.  Na lista destes países constam a Alemanha, Áustria, Bélgica, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Finlândia, Grécia, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Países Baixos, Roménia e Suíça;

6 – Nos voos provenientes de países terceiros apenas são permitidas viagens essenciais.

7- No âmbito do controlo da fronteira terrestre com Espanha, os cidadãos nacionais ou com residência legal em território nacional provenientes do Reino Unido, Brasil, África do Sul ou de países com taxa de incidência igual ou superior a 500 casos por 100 mil habitantes, terão de cumprir um período de isolamento profilático de 14 dias.

8- Nas fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha, a circulação só pode ser feitas nos Pontos de Passagem Autorizados, e limitadas ao: transporte internacional de mercadorias, de trabalhadores transfronteiriços e de caráter sazonal devidamente documentados, e de veículos de emergência e socorro e serviço de urgência, não sendo permitidas deslocações para efeitos de turismo.

9 – A proibição de circulação entre concelhos aplica-se a todos os cidadãos independentemente da nacionalidade.

10 – No caso de cidadãos não residentes em território nacional está apenas prevista a possibilidade de deslocação, após a chegada a Portugal, para o local de permanência comprovada, nomeadamente um hotel ou outro alojamento;

11 – Estes cidadãos ficam sujeitos às mesmas regras e exceções previstas para os cidadãos residentes, ou seja, não poderão circular para fora do concelho de alojamento.

Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários