PremiumVieira Monteiro em risco de não passar no BCE

António Vieira Monteiro foi administrador da CGD em 2000, altura das perdas com a ‘Operação Caravela’.

A eleição de António Vieira Monteiro, para presidente do Conselho de Administração do Banco Santander Totta poderá estar em risco ao abrigo do processo fit & proper (adequação e avaliação) do Banco Central Europeu (BCE).

Isto porque, tal como revelou Luís Marques Mendes, na SIC, a auditoria forense feita pela EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), prometida pelo Governo em 2016 e mandada realizar em 2017, está concluída e foi entregue ao Banco de Portugal e ao BCE. “O que significa, entre outras coisas, que os administradores que passaram pela Caixa no período das operações ruinosas não vão conseguir no futuro a aprovação do BCE para voltarem aos conselhos de administração de bancos”, disse Marques Mendes.

O comentador político chamou a atenção para gestores cuja idoneidade tenha de ser avaliada ou reavaliada pelo BCE no futuro. António Vieira Monteiro é um desses administradores que poderá ver o seu processo de avaliação recusado pelo BCE, pelo facto de ter estado na administração da CGD durante a realização de uma das operações “mais ruinosas” para o banco, a ‘Operação Caravela’, como é conhecida na gíria do setor financeiro.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

CPI à Caixa: relatório final já foi entregue em mão à Procuradora Geral da República

O presidente da comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa entregou em mão o relatório final à Procuradora Geral da República. Entrega realizou-se na sexta-feira passada, tendo na ocasião Luis Leite Ramos dado explicações a Lucília Gago sobre os termos em que foi feito o documento, cujas conclusões poderão ter, segundo a própria CPI, relevância criminal.

Críticas ao BdP, gestão do banco e governo de Sócrates. Conheça ao detalhe o relatório da CPI à Caixa Geral de Depósitos

Relatório final reflete as conclusões retiradas pelos deputados sobre a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e a gestão do banco público. Trabalhos começaram em março e as conclusões visam vários alvos: Banco de Portugal, gestão do banco e sucessivos Governos, com destaque para o Executivo liderado por José Sócrates.

“Expressão ‘indícios de gestão danosa’ dividiu PSD dos restantes partidos” da comissão de inquérito à CGD

Shrikesh Laxmidas, diretor-adjunto do Jornal Económico, analisou para a SIC Notícias as propostas de alterações ao relatório final da II Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à Recapitalização da CGD e Gestão do banco público.
Comentários