Vinhos do Tejo aumentam certificação em 11% no primeiro quadrimestre de 2021

O passado mês de abril foi o melhor mês de sempre para a região vitivinícola do Tejo, com 3,6 milhões de litros de vinho certificado.

No primeiro quadrimestre de 2021, os  vinhos do Tejo registaram um crescimento de 11% em vinhos certificados face ao período homólogo.

“Os números falam por si e foram os melhores de sempre, tendo revelado um aumento de 11% face ao período homólogo, ou seja, o primeiro quadrimestre de 2020 – e que, por sua vez, tinha já revelado um aumento de 76% face a 2019”, destaca um comunicado da CVR – Comissão Vitivinícola da Região do Tejo.

Já em 2020, apesar dos “inúmeros contratempos causados pela pandemia da Covid-19” e “em contracorrente à maioria do sector, “na região dos Vinhos do Tejo a certificação de vinhos aumentou em 28% (…), valor que fez catapultar para os quase 30 milhões de litros certificados, número que se contavam atingir em 2023”.

“Olhando para os dados deste ano, importa destacar que o mês de abril foi o melhor mês de sempre, com 3,6 milhões de litros de vinho certificado, entre DOC [Denominação de Origem Controlada] do Tejo e IGP [Indicação Geográfica Protegida] Tejo. De janeiro a abril, passaram pelo crivo de qualidade da Comissão Vitivinícola Regional do Tejo (CVR Tejo) 11,3 milhões de litros, o que corresponde ao referido aumento de 11%, em volume, relativamente a igual período do ano passado – com 10,4 milhões de litros a quatro meses e quase 30 milhões nos 12 meses. Nota para o facto de ter havido uma franca recuperação no que diz respeito aos vinhos DOC do Tejo, com um aumento de 26,6%, o que se traduz em 800 mil litros. Um número que sobe aos 10,5 milhões de litros quando falamos de vinhos com selo de garantia Indicação Geográfica Protegida (IGP) Tejo, também em crescendo, na ordem dos 10%”, destaca o referido comunicado da CVR Tejo.

Segundo Luís de Castro, presidente da CVR Tejo, “isto é, sem dúvida, reflexo de que os Vinhos do Tejo continuam no bom caminho e que estão a beneficiar do aumento de notoriedade e da quota de mercado já conseguida”.

“A continuar assim, podemos vir a ultrapassar bastante o objectivo de crescimento fixado para este ano: previu-se um aumento de 5% face a 2020, ano que que os Vinhos do Tejo levaram à certificação quase 30 milhões de litros, ultrapassando todas as expectativas, mesmo as que estavam previstas para 2023. A manter-se esta ‘performance’, poderemos chegar aos 33 milhões de litros”, estima este responsável.

A Região Vitivinícola do Tejo está localizada no coração de Portugal, a uma curta distância de Lisboa, a capital, e tem uma área global de cerca de sete mil quilómetros quadrados, dos quais 12.500 hectares são vinhas, e abrange 21 municípios, um no distrito de Lisboa e os restantes no distrito de Santarém.

A CVR Tejo) foi criada a 24 de Novembro de 2008, tendo sucedido à Comissão Vitivinícola Regional do Ribatejo, fundada a 17 de Setembro 1997. Com 87 agentes económicos associados – de entre adegas cooperativas, produtores e engarrafadores, empresas vinificadoras e engarrafadores da região –, a CVR Tejo é presidida por Luís de Castro, desde 1 de Maio de 2014.

Recomendadas

Ana Gomes vai denunciar a Bruxelas eventuais irregularidades na atribuição de fundos à agricultura

A ex-eurodeputada socialista Ana Gomes disse hoje que vai denunciar à Comissão Europeia a existência de irregularidades na atribuição de fundos de apoio à agricultura, situação que terá “destruído a vida” de alguns profissionais, como o agricultor Luís Dias.

Cooperativa Agrícola de Felgueiras distribui parte dos lucros por produtores e restaurantes

Uma das maiores cooperativas agrícolas do país, que faturou 10 milhões de euros em 2020, apesar da pandemia de covid-19 e do impacto que teve nos primeiros meses do ano, registou um lucro de 600 mil euros, impulsionado pelas exportações. Agora está a apoiar a economia de Felgueiras.

8ª edição do concurso Vinhos de Portugal decide esta sexta-feira os vencedores entre mais de 1.400 propostas

Na noite desta sexta-feira ficarão a ser conhecidos os melhores vinhos nacionais do último ano.
Comentários