Vinhos do Tejo cresceram 36% na exportação

Na primeira metade deste ano, os principais mercados de exportaçãod os vinhos do Trejo foram a Suécia, o Brasil, a Polónia, a França, os Estados Unidos da América e a China..

No primeiro semestre de 2021, a certificação e exportação de vinhos do Tejo, controlados pela Comissão Vitivinícola Regional do Tejo (CVR Tejo), registaram um crescimento de dois dígitos face ao período homólogo do ano passado.

“No primeiro semestre, a certificação de vinhos do Tejo aumentou 14,33%, com mais de dezassete milhões de litros de vinho a ser alvo de certificação pela CVR Tejo, dos quais 1.249.609 litros como DOC [Denominação de Origem Controlada] do Tejo e 15.902.457 litros de IG [Indicação Geográfica] Tejo. Estes números correspondem apenas a metade do ano, fazendo assim perspectivar que, mais uma vez, o valor anual será superado”, destaca um comunicado da CVR Tejo.

Segundo essa nota, “depois do grande e inesperado – devido aos efeitos da pandemia da Covid-19 – crescimento que se verificou em 2020, na ordem dos 28%, a CVR Tejo projectou um aumento anual de cerca de 5%, face a 2020”.

“Contudo, a este ritmo, acredita que essa fasquia deverá ser ultrapassada, atingindo-se uma curva ascendente na ordem dos dois dígitos”, assume a CVR Tejo.

No que respeita à exportação de vinhos do Tejo no primeiro semestre deste ano, a CVR Tejo regista “um crescimento de 36,76%, em volume”.

Neste período, “os principais mercados foram a Suécia, o Brasil, a Polónia, a França, os Estados Unidos da América e a China, respectivamente”.

“Um ‘ranking’ que poderá sofrer alterações até ao final do ano, com o Brasil a voltar ao pódio – está já a notar-se uma boa retoma deste mercado, com forte afinidade para os vinhos portugueses e, em especial, para os vinhos da região do rio Tejo”, avsança o mesmo comunicado.

 

Recomendadas

PremiumPortugal Fresh visa novos mercados para exportações

Dentro e fora da Europa, os futuros alvos de Gonçalo Santos Andrade são a China, Índia, México, Polónia, Estónia, Letónia e Lituânia. Outro objetivo é consolidar as exportações para os maiores países da União Europeia.

Ministra da Agricultura promete divulgar até ao fim do ano conclusões do estudo da EDIA sobre regadios

Maria do Céu Antunes foi à Fruit Attaction, em Madrid, dizer que o PNI – Plano Nacional de Investimento 2030 prevê 750 milhões, em partes iguais, para investimento na melhoria e ampliação de sistemas atuais de rega coletiva e para a construção de novas áreas de regadio.

Sector nacional das frutas e legumes deverá fechar 2021 com 1.700 milhões de euros de exportações

Gonçalo Santos Andrade, presidente da Portugal Fresh, lidera a representação portuguesa na edição deste ano da Fruit Attraction em Madrid, após um interregno de um ano devido à Covid-19. O objetivo de exportações do sector até 2030 é chegar ao montante de 2.500 milhões de euros.
Comentários