PremiumVinhos: Luísa Amorim arranca com projeto pessoal no Alentejo

Após ter trazido a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmopara a ribalta da produção vinícola do Douro e de ter levado o grupo Amorim para o Dão, com o investimento na Quinta da Taboadella, Luísa Amorim decidiu pôr de pé um projeto vitivinícola a título próprio, no Alentejo. Saiba as motivações e os projetos da filha mais nova de Américo Amorim.

De forma serena e paulatina, Luísa Amorim vai traçando o seu caminho de empresária em ascensão no panorama nacional, em particular no setor que mais a apaixona, o da produção de vinhos e das diversas atividades que lhe estão associadas, como a viticultura, enologia e enoturismo. Pela sua mão, a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, a casa produtora de vinhos mais conhecida do império herdado de seu pai, o magnata Américo Amorim, tem vindo a tornar-se uma das referências da multifacetada produção vínica do Douro.

Mas Luísa Amorim, a mais nova das três filhas de Américo Amorim, é mulher de enfrentar desafios consecutivos. A Quinta Nova vai de vento em popa, também na vertente do enoturismo, mas tal não chega para esta empresária nascida no Porto há 45 anos. Além de ter em carteira uma outra quinta no Douro Superior, a Quinta de São Cidrão, com cerca de 200 hectares (quase o dobro da Quinta Nova), onde está quase tudo por fazer, quebrou no ano passado as fronteiras geográficas da produção vinícola da casa Amorim, investindo pela primeira vez numa região produtora fora do Douro, numa quinta do Dão (ver texto ao lado).

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Monte da Ravasqueira: Das adegas alentejanas para as mesas da China e dos EUA

Negócio de vinhos do Grupo José de Mello isolou as exportaçõese a criação de valor como vetores de desenvolvimento. No ano passado,o volumede negócios disparou 30%e a tendência mantém-se positiva em 2019.

Nabeiro convida startups a desenvolverem pilotos para as empresas do grupo

Desenvolvido pelo centro de inovação interno, em parceria com a consultora iMatch, o programa desafia pequenas empresas a apresentar soluções de produto, sustentabilidade e interação com o consumidor. “O grupo irá, mediante análise de cada uma, assegurar o financiamento necessário para o desenvolvimento e implementação dos respetivos pilotos”, refere Rui Miguel Nabeiro ao Jornal Económico.

Mercadona anuncia ‘morte’ do plástico de uso único

A cadeia espanhola de supermercados, cuja internacionalização irá ter início em julho em Portugal, anunciou o fim do uso de plásticos com uma utilização. Lojas portuguesas já não terão sacos de plástico de utilização única.
Comentários