PremiumVinhos: Luísa Amorim arranca com projeto pessoal no Alentejo

Após ter trazido a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmopara a ribalta da produção vinícola do Douro e de ter levado o grupo Amorim para o Dão, com o investimento na Quinta da Taboadella, Luísa Amorim decidiu pôr de pé um projeto vitivinícola a título próprio, no Alentejo. Saiba as motivações e os projetos da filha mais nova de Américo Amorim.

De forma serena e paulatina, Luísa Amorim vai traçando o seu caminho de empresária em ascensão no panorama nacional, em particular no setor que mais a apaixona, o da produção de vinhos e das diversas atividades que lhe estão associadas, como a viticultura, enologia e enoturismo. Pela sua mão, a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, a casa produtora de vinhos mais conhecida do império herdado de seu pai, o magnata Américo Amorim, tem vindo a tornar-se uma das referências da multifacetada produção vínica do Douro.

Mas Luísa Amorim, a mais nova das três filhas de Américo Amorim, é mulher de enfrentar desafios consecutivos. A Quinta Nova vai de vento em popa, também na vertente do enoturismo, mas tal não chega para esta empresária nascida no Porto há 45 anos. Além de ter em carteira uma outra quinta no Douro Superior, a Quinta de São Cidrão, com cerca de 200 hectares (quase o dobro da Quinta Nova), onde está quase tudo por fazer, quebrou no ano passado as fronteiras geográficas da produção vinícola da casa Amorim, investindo pela primeira vez numa região produtora fora do Douro, numa quinta do Dão (ver texto ao lado).

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Em 2050, vamos ser 10 mil milhões. Alimentos geneticamente modificados podem ser solução

Com um clima em constante alteração e um aumento da população mundial, a necessidade de responder à procura de alimentos vai-se agravar. O World Resources Institute sugere que alimentos geneticamente modificados sejam a solução.

GoParity abre segunda fase para financiar produção sustentável de ostras

Depois de um primeiro financiamento de 125 mil euros, a GoParity vai lançar amanhã uma segunda ronda, com financiamento previsto de mais 150 mil euros. O projeto, orçado em cerca de 2,1 milhões de euros, permitirá à empresa portuguesa OysterWorld aumentar capacidade produtiva de ostras para cerca de 360 toneladas/ano e aumentar as exportações para Espanha, França ou Holanda.

Ordem dos Engenheiros debate falta de água no Tejo

A instituição liderada por Mineiro Aires explica que o ‘Projeto Tejo’ pretende ser a resposta à falta de água que se começa a sentir no rio Tejo e que já afeta fortemente a região do Oeste, situação que se tende a agravar em resultado das alterações climáticas.
Comentários