PremiumVinhos: Luísa Amorim arranca com projeto pessoal no Alentejo

Após ter trazido a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmopara a ribalta da produção vinícola do Douro e de ter levado o grupo Amorim para o Dão, com o investimento na Quinta da Taboadella, Luísa Amorim decidiu pôr de pé um projeto vitivinícola a título próprio, no Alentejo. Saiba as motivações e os projetos da filha mais nova de Américo Amorim.

De forma serena e paulatina, Luísa Amorim vai traçando o seu caminho de empresária em ascensão no panorama nacional, em particular no setor que mais a apaixona, o da produção de vinhos e das diversas atividades que lhe estão associadas, como a viticultura, enologia e enoturismo. Pela sua mão, a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, a casa produtora de vinhos mais conhecida do império herdado de seu pai, o magnata Américo Amorim, tem vindo a tornar-se uma das referências da multifacetada produção vínica do Douro.

Mas Luísa Amorim, a mais nova das três filhas de Américo Amorim, é mulher de enfrentar desafios consecutivos. A Quinta Nova vai de vento em popa, também na vertente do enoturismo, mas tal não chega para esta empresária nascida no Porto há 45 anos. Além de ter em carteira uma outra quinta no Douro Superior, a Quinta de São Cidrão, com cerca de 200 hectares (quase o dobro da Quinta Nova), onde está quase tudo por fazer, quebrou no ano passado as fronteiras geográficas da produção vinícola da casa Amorim, investindo pela primeira vez numa região produtora fora do Douro, numa quinta do Dão (ver texto ao lado).

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Empresário português fabrica primeiro pastel de nata da Argentina

A recentemente inaugurada “Nataria Portuguesa” conseguiu dois feitos: uma receita própria próxima dos pastéis de nata de Portugal e fazer com que os argentinos, aos poucos, troquem os tradicionais alfajores pelo emblemático doce português

Jorge Alves foi eleito o melhor enólogo ano em Portugal em 2018

O prémio de Jorge Alves, o enólogo principal da casa desde 2012, atribuído pela revista ‘Vinho Grandes Escolhas’, ficou reforçado pelo destaque aos Mirabilis, dois grandes reservas tinto e branco entre os melhores vinhos do ano.

Dona do Minipreço pode vender lojas fora de Espanha para salvar grupo

O Grupo DÍA, dono das lojas Minipreço e Clarel em Portugal, está a atravessar um período conturbado e que ameaçar a sua sobrevivência. Após ter sido lançada uma OPA, e depois da apresentação de resultados anuais desastrosos, a retalhista estuda todas as vias alternativas para salvar as suas operações. Uma reunião de acionistas está prevista dentro de um mês, onde a administração do grupo espera conseguir um balão de oxigénio. Caso isso não aconteça, as operações fora de Espanha não são imprescindíveis.
Comentários