Violação de medida cautelar da Anacom relacionada com TDT punível com coima até cinco milhões de euros

No dia 9 de janeiro, o presidente da Anacom, João Cadete de Matos, revelou a existência de situações em que os utilizadores da TDT foram propositadamente enganados ou induzidos a adquirir serviços de televisão por subscrição, com a perceção de que o serviço TDT iria acabar. Por isso, a Anacom proibiu quaisquer práticas comerciais desleais relacionadas com a TDT. A violação da medida regulatória pode levar a que empresas como a NOS, Altice e Vodafone paguem multas elevadas.

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), proibiu as empresas prestadoras de serviços de comunicações eletrónicas (como a Altice, NOS e a Vodafone) de promoverem práticas comerciais que induzam nos consumidores a ideia que a Televisão Digital Terrestre (TDT) vai acabar, no âmbito da migração da faixa 700 MHz (ainda ocupada pela TDT) para permitir o arranque da quinta geração da rede móvel (5G). Trata-se de uma medida cautelar, mas fonte oficial do regulador das comunicações eletrónicas explicou ao Jornal Económico que o não cumprimento da decisão do regulador pode levar a coimas elevadas.

Além da adoção de práticas comerciais desleais ser punível por lei com uma coima “entre os três mil euros e os 40 mil euros”, a violação da ordem emitida pela Anacom, na segunda-feira, configura uma contraordenação muito grave, prevista na Lei das Comunicações Eletrónicas, punível com uma coima “entre os 20 mil euros e os cinco milhões de euros”.

O valor das infrações varia “consoante a dimensão das empresas”, o que explica a “grande amplitude” do valor das coimas, segundo fonte oficial da Anacom.

Num encontro com jornalistas em 9 de janeiro, o presidente da Anacom, João Cadete de Matos, revelou estar em curso uma investigação a queixas de fraude na subscrição de televisão paga relacionadas com migração da rede TDT. Por isso, o regulador decidiu emitir a referida proibição para prevenir “situações em que as pessoas são propositadamente enganadas e induzidas a subscrever serviços de que não necessitam, tendo em conta que o início do processo de migração da rede de TDT a nível nacional começa já no próximo dia 7 de fevereiro”.

“[A TDT] é gratuita e continuará a ser, estando proibida qualquer prática ou mensagem em contrário das empresas que prestam serviços de televisão paga e dos agentes que divulgam e comercializam estes serviços”, lê-se no comunicado emitido na segunda-feira pela Anacom. Por isso, esta “medida cautelar de proibição prévia de práticas comerciais desleais visa impedir a ocorrência destes comportamentos”.

“Tais comportamentos consubstanciam a adoção de práticas comerciais desleais, nos termos da lei, e constituem uma contraordenação punível com coima. Em face das situações de que teve conhecimento, a Anacom considera que existe uma probabilidade séria de adoção futura, por parte de empresas prestadoras de serviços de comunicações eletrónicas e/ou das pessoas que agem em seu nome e representação, de comportamentos como os descritos, sendo premente impedir a sua ocorrência”, salientou o regulador no mesmo comunicado.

A medida cautelar vigora durante o período do processo de migração da TDT (que terminará entre o mês de junho e julho) e “por um período adicional”, durante agosto, “de modo a abranger os casos de utilizadores de TDT com segundas habitações e emigrantes”.

Ler mais
Relacionadas

Anacom proíbe práticas comerciais desleais de vendas de serviços pagos a clientes da TDT

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) anunciou hoje que decidiu proibir as práticas comerciais que induzam nos consumidores que a TDT vai acabar, no âmbito da migração da faixa 700 MHz para permitir o arranque do 5G.

Anacom investiga queixas de fraude na subscrição de televisão paga relacionadas com migração da rede TDT

Há pessoas “a ser informadas que ou contratam um serviço pago de televisão ou ficam sem televisão”, afirmou o presidente da Anacom, João Cadete de Matos, à margem de um encontro com jornalista esta quinta-feira, em Lisboa.

Governo vai promover “reavaliação rápida” da oferta da TDT tendo em vista a oferta de mais dois canais privados

A oferta dos canais da TDT deveria ter sido reforçada em 2019 com dois novos canais privados, mediante atribuição de licenças de emissão. Esta segunda-feira, o secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, contou, em duas comissões parlamentares, que o Governo só tomará uma decisão depois de reavaliar a oferta da TDT, tendo em vista as alterações no panorama televisivo em Portugal.

5G é ponto de viragem para o setor e para a economia nacional

Regulador vê uma oportunidade para abrir o mercado em benefício do consumidor. 5G só estará ao alcance dos operadores no segundo semestre, mas ofertas comerciais só deverão chegar dentro de dois anos.
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários