Fraudes online em Portugal é de 0,25%, diz SIBS

O responsável da SIBS falava no ‘webinar’ Estratégia Nacional para os Pagamentos de Retalho – Horizonte 2022 (apresentada em novembro), organizado pelo Banco de Portugal, que decorreu esta quinta-feira em formato de videoconferência.

Bloomberg

De acordo com os dados da SIBS, a fraude online em Portugal é de 0,25%, o que, quando comparado com valores divulgados pela Visa para o Sul da Europa, permite concluir que estamos 30% abaixo da média nessa região.

De acordo com Ricardo Chaves, da SIBS, a operadora internacional de cartões indicou que Portugal “conseguiu uma ‘performance’ de 25 pontos base”, correspondente a 0,25% do total, ou seja, “menos 30% do que se verifica na Europa do sul comparável, de acordo com dados partilhados pela Visa”.

O responsável da SIBS falava no ‘webinar’ Estratégia Nacional para os Pagamentos de Retalho – Horizonte 2022 (apresentada em novembro), organizado pelo Banco de Portugal (BdP), que decorreu esta quinta-feira em formato de videoconferência.

Os números das fraudes associadas a operações realizadas ‘online’ contrastam com as realizadas em formato físico, de acordo com um relatório do Banco Central Europeu (BCE) relativo a 2018, também referido pelo responsável.

“A fraude média de cartões na União Europeia [UE] foi de 3,7 pontos base, ou seja, 0,037%, e a fraude média em Portugal foi de um ponto base [0,001%] em cartões”, salientou Ricardo Chaves.

O responsável da SIBS vincou que estes números significam que “estamos na ordem de um quarto daquilo que é a fraude média verificada na Europa, ou seja, menos 70%”.

“Dando aqui exemplos de alguns países, a Dinamarca tem 4,7, a França nove, o Reino Unido 8,3 e nós um. Somos o sexto melhor país da Europa em termos de fraude em utilização de cartões”, num total de 28, disse.

Também Norberto Rosa, secretário-geral da Associação Portuguesa de Bancos (APB), disse que “existem indicadores recentes, designadamente de algumas empresas especializadas em cibersegurança, que apontam no sentido da aceleração da digitalização estar a ser acompanhada pelo incremento de fraude nos pagamentos”.

“O aumento de tentativas de fraude foi agravado pelo atual contexto pandémico”, afirmou ainda o antigo administrador do BCP, que salientou que “o esforço na segurança dos meios de pagamento é necessário ser acompanhado pela corresponsabilização dos clientes bancários”.

O secretário-geral da APB afirmou ser necessário “continuar a investir na consciencialização dos clientes quanto ao papel que lhes cabe desempenhar, adotando comportamentos responsáveis e seguros”.

Noutro painel, pela DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, Vinay Pranjivan defendeu que “um contexto de promoção de pagamentos eletrónicos deve ter sempre em conta os cuidados necessários para promover a inclusão financeira”.

“Em Portugal temos um conjunto elevado de consumidores que juntam a iliteracia financeira e a iliteracia digital, portanto é preciso ter atenção a este fenómeno”, alertou.

O representante da DECO considerou também que “é fundamental para os consumidores a manutenção do numerário como meio de pagamento universalmente aceite”, considerando que a legislação em vigor em Portugal “deve ser considerada imutável” a esse respeito, sem impedir o desenvolvimento de meios de pagamentos eletrónicos.

Numa intervenção inicial, e referindo-se ao tema do euro digital, o economista e professor universitário Ricardo Reis já tinha opinado que “com certeza que vai ser um complemento e não um substituto”.

“Ainda há muitas pessoas na nossa sociedade, e embora seja uma parte ínfima dos pagamentos, que preferem usar notas e moedas”, referiu, prevendo que “o euro digital não vai levar ao fim das notas euro” pois “continuam a desempenhar um papel importante para os pagamentos de uma parte da sociedade”.

Ler mais
Recomendadas

UBS vai ser julgado na segunda-feira feira por fraude fiscal

O banco é suspeito de ter, entre 2004 e 2012, enviado ilegalmente vendedores França para convencer clientes a abrir contas não declaradas na Suíça.

Novo Banco confirma venda do portefólio de malparado ‘Projecto Wilkinson’

A entidade liderada por António Ramalho confirmou a venda da carteira por 216,3 milhões de euros em ativos ao fundo Davidson Kempner, que desta forma vão provocar um impacto “marginalmente positivo” nas contas.

CEO do Goldman Sachs anuncia investimento de 156 mil milhões de dólares na sustentabilidade

David Solomon, presidente e CEO da Goldman Sachs, anunciou o progresso anual rumo ao compromisso do banco norte-americano em termos de Sustainable Finance Commitment. O banco norte-americano quer que os EUA regressem ao Acordo de Paris.
Comentários