Visa vai comprar startup Plaid por 4,8 mil milhões de euros

A fintech de São Francisco desenvolve API (interfaces de programação de aplicações). A operação deverá ficar concluída nos próximos três a seis meses.

Bloomberg

A Visa assinou um acordo para comprar, por 5,3 mil milhões de dólares (cerca de 4,8 mil milhões de euros), a startup Plaid, uma empresa tecnológica que facilita o acesso às contas bancárias nas aplicações móveis. As partes estimam que a operação fique concluída nos próximos três a seis meses, consoante as aprovações regulatórias.

A fintech de São Francisco que conquistou a Visa desenvolve API (interfaces de programação de aplicações), serviços tecnológicos que a multinacional de pagamentos tem desenvolvido. Na prática, a Plaid faz algo semelhante àquilo que a Stripe faz pelos pagamentos, contudo, em vez de os facilitar, auxilia os programadores a partilhar informações bancárias/financeiras.

No final de 2018, a Plaid – que foi fundada em 2013 por Zach Perret, William Hockey – teve uma ronda de financiamento liderada pela Index e pela Kleiner que a avaliou em 2,65 mil milhões de dólares (aproximadamente 2,34 mil milhões de euros). A startup que será agora adquirida pela Visa também já tinha ido às compras (igualmente) de uma startup, a Quovo.

Para a Visa, esta jovem empresa vai permitir agregar mais valor aos programadores, instituições financeiras e consumidores, tendo em conta que uma em cada quatro pessoas com uma conta bancária nos Estados Unidos terá utilizado a Plaid para se ligar a mais de 2.600 developers de fintech em 11 mil instituições financeiras.

Segundo o “Global FinTech Adoption Index”, da consultora Ernst & Young (EY), 75% dos consumidores mundiais, com acesso à Internet, utilizaram uma fintech para movimentar dinheiro em 2019 (uma percentagem que mais do que duplicou dos 18% em 2015).

Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários