‘Vistos Gold’: Retirar Lisboa e Porto é “sinal negativo para investidores”, diz APEMIP

A medida apresentada pelo PS foi rejeitada pela associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal que considera que a medida vai no sentido de tentar travar a procura no mercado, em vez de promover o aumento da oferta.

Cristina Bernardo

A proposta sugerida pelo Partido Socialista que prevê a limitação da atribuição de ‘vistos gold’ nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto foi rejeitada pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

Em comunicado, a organização considera que a medida seria “contraproducente” e que vai no sentido de tentar travar a procura no mercado, em vez de promover o aumento da oferta. O presidente da organização afirma compreender a necessidade de serem feitos ajustes nas zonas onde existe uma maior pressão imobiliária, mas afirma que “retirá-las do programa é mudar as regras a meio do jogo e um sinal negativo que estamos a passar aos potenciais investidores”.

“Compreenderia o aumento do valor mínimo de investimento nestes concelhos, que poderia passar de 500 mil euros para um milhão, por exemplo, mas não posso concordar que seja retirada a oportunidade de investir, sobretudo tendo em conta que se está a considerar toda a área metropolitana”, declara Luís Lima.

Segundo Ana Catarina Mendes, a ideia desta medida seria “retirar pressão das áreas metropolitanas” dando resposta ao problema da “especulação imobiliária” e  incentivar o investimento em zonas do interior” restringindo a atribuição de vistos gold “nas comunidades intermunicipais do interior e nas regiões autónomas” e para investimento que “crie emprego”. A líder parlamentar do PS recusa que esta medida possa vir a afugentar os investidores de Portugal: “Não queremos afastar os investidores mas atraí-los para outras zonas do país”.

O representante da APEMIP acrescenta, na mesma nota, que a promoção da descentralização do investimento para o interior do país seria um “estímulo positivo”, mas realça que a delimitação das zonas poderá deixar de fora regiões que também precisam que este investimento lhes chegue.

Desde a criação do incentivo dos ‘vistos gold’ em 2012, foram atribuídas 8207 autorizações de residência, que correspondem a um investimento de mais de 4.9 mil milhões de euros em Portugal, dos quais 4.5 mil milhões correspondem a imobiliário. Só em 2019, este investimento representou mais de 660 milhões de euros.

Ler mais
Relacionadas

PS limita “vistos Gold” aos municípios do interior e às regiões autónomas

Esta medida foi anunciada pela líder da bancada socialista, Ana Catarina Mendes, em conferência de imprensa, na Assembleia da República, durante a qual fez questão de salientar que o fim dos vistos “Gold” em zonas como as de Lisboa e Porto “não terá obviamente uma aplicação com efeitos retroativos”.

Centeno: “Vistos gold e o tema ‘Isabel dos Santos’ não são exatamente a mesma coisa”

O ministro das Finanças defendeu que as “autoridades que autorizam os vistos gold devem atuar sempre que necessário”, mas apelou a que não se confundam os temas.

Amnistia Internacional: “Vistos gold só trazem dificuldades para a classe média e baixa no acesso à habitação”

O acesso à habitação é, aos olhos da AI, um dos maiores desafios de direitos humanos em Portugal, “não só para as pessoas mais pobres, mas também para uma certa classe média e trabalhadora”, afirma Pedro A. Neto, diretor-geral da Amnistia em Portugal, em entrevista com o Jornal Económico. Preços “incontornáveis” são impulsionados pelo aumento dos ‘vistos gold’.
Recomendadas

INE: taxa de juro no crédito para aquisição e habitação subiu para 1,081% nos contratos celebrados entre outubro e dezembro de 2019

Num período de tempo mais alargado, o INE notou que na totalidade do crédito à habitação, que inclui financiamento para outros destinos que não apenas a aquisição de habitação,  a taxa de juro implícita desceu para 1%, o valor mais baixo desde de julho de 2019, mês em que estava nos nos 1,081%, tendo vindo sucessivamente a descer, para os níveis registados no mês passado.

Fundo britânico compra edifício em Lisboa por 22,3 milhões de euros

Localizado na Avenida Miguel Bombarda, o empreendimento outrora ocupado pelo banco e empresas do grupo Santander, é composto por nove andares acima do solo e cinco subterrâneos, disponibilizando uma área bruta locável de 7.240 m2 e 91 lugares de estacionamento.

Será que deve comprar uma segunda habitação para arrendamento?

Comprar uma segunda habitação pode ser um investimento viável, seja pelo potencial rendimento do arrendamento como pela venda posterior por um valor mais alto. No entanto, deve ter em conta algumas considerações antes de tomar esta decisão. Descubra tudo neste artigo.
Comentários