Vítor Bento diz que o crescimento económico vai desacelerar na próxima década

O economista lembrou a instabilidade fiscal e os impostos especiais sobre lucros que “estão a desincentivar a acumulação de capital e o investimento e nós precisamos de aumentar o capital para aumentar a produtividade, logo essa política não favorece o aumento de salários. Essa hostilidade ao capital é a promoção da política de salários baixos”.

O economista Vítor Bento em entrevista à Antena 1/Jornal de Negócios diz que “o crescimento vai desacelerar, pela exaustão de recursos (estamos a atingir o pleno emprego) e porque seria necessário um aumento do investimento e do crescimento da produtividade, que não vai acontecer”. Na próxima década, segundo Vítor Bento, Portugal deverá crescer em média 1,5%.

O economista considera ainda que “a retórica anticapitalista também não ajuda ao crescimento”. Aliás, adianta que “a hostilidade aos lucros elevados, favorece a existência de salários baixos”.

O economista lembrou a instabilidade fiscal e os impostos especiais sobre lucros que “estão a desincentivar a acumulação de capital e o investimento e nós precisamos de aumentar o capital para aumentar a produtividade, logo essa política não favorece o aumento de salários. Essa hostilidade ao capital é a promoção da política de salários baixos”.

“Portugal beneficia de uma situação de taxas de juro muito baixas mas se esticarmos a corda vamos acabar num resgate”, alerta Vítor Bento.

O economista considera que refere que “a deterioração dos serviços públicos é resultado de opções que têm sido tomadas por este Governo, ao longo desta legislatura, na afetação dos escassos recursos e não de um passado que o governo insiste em referir”.

“Não faz sentido o Governo continuar a culpar o passado”, defende. Aliás, considera que “um Governo que esgota a legislatura a reclamar irresponsabilidade, não pode apelar ao voto”.

 

Ler mais
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários