Vítor Constâncio sai do BCE para ganhar reforma de 25 mil euros por mês

Vítor Constâncio deve deixar o segundo cargo mais bem pago do supervisor europeu em maio, passando somar a pensão do BCE àquela a que tem direito como reformado do Banco de Portugal.

O ainda vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio, pode vir a receber uma reforma de 25 mil euros por mês. Vítor Constâncio deve deixar o segundo cargo mais bem pago do supervisor europeu em maio, passando somar a pensão do BCE àquela a que tem direito como reformado do Banco de Portugal, avança o jornal “Correio da Manhã”.

A reforma que Vítor Constâncio vai receber do BCE vai corresponder a mais de 16 mil euros, 70% do seu último salário, segundo as regras válidas para o cálculo de pensões do regulador bancário. A esta juntam-se cerca de nove mil euros a que tem direito como reformado do Banco de Portugal, desde 2010.

Segundo os cálculos do jornal, quando Vítor Constâncio deixar o lugar no BCE, terá recebido cerca de 2,5 milhões de euros só em salários. De fora ficam as contribuições, que foram feitas para seguros de saúde e de acidentes pessoais.

Vítor Constâncio pode ainda renunciar ao pagamento mensal da pensão do banco central, optando por receber as prestações a que tem direito todas de uma vez só, indica o “CM”.

Recomendadas

CMEC: EDP recusa todas as acusações de favorecimento

A elétrica nacional refuta todos os pontos de eventual favorecimento de que é acusada e diz que tudo decorreu com uma transparência que a própria União Europeia confirmou.

“Vandalização”: Presidente do Instituto Superior Técnico critica mural do Bloco de Esquerda

Arlindo Oliveira criticou o mural realizado pelo partido de Catarina Martins nos muros do campus da Alameda em Lisboa. “Será que a vandalização de património público consta no programa do Bloco de Esquerda?”

Eleições: Rui Rio considera que 200 milhões para aumentos salariais “não chega para nada”

O presidente do PSD considerou esta sexta-feira que se o Governo só tem 200 milhões de euros para aumentar os funcionários públicos, estes estão “desgraçados” porque este dinheiro “não chega para nada” nos próximos quatro anos.
Comentários