Vítor Constâncio sai do BCE para ganhar reforma de 25 mil euros por mês

Vítor Constâncio deve deixar o segundo cargo mais bem pago do supervisor europeu em maio, passando somar a pensão do BCE àquela a que tem direito como reformado do Banco de Portugal.

O ainda vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio, pode vir a receber uma reforma de 25 mil euros por mês. Vítor Constâncio deve deixar o segundo cargo mais bem pago do supervisor europeu em maio, passando somar a pensão do BCE àquela a que tem direito como reformado do Banco de Portugal, avança o jornal “Correio da Manhã”.

A reforma que Vítor Constâncio vai receber do BCE vai corresponder a mais de 16 mil euros, 70% do seu último salário, segundo as regras válidas para o cálculo de pensões do regulador bancário. A esta juntam-se cerca de nove mil euros a que tem direito como reformado do Banco de Portugal, desde 2010.

Segundo os cálculos do jornal, quando Vítor Constâncio deixar o lugar no BCE, terá recebido cerca de 2,5 milhões de euros só em salários. De fora ficam as contribuições, que foram feitas para seguros de saúde e de acidentes pessoais.

Vítor Constâncio pode ainda renunciar ao pagamento mensal da pensão do banco central, optando por receber as prestações a que tem direito todas de uma vez só, indica o “CM”.

Recomendadas

Marginal parcialmente fechada ao trânsito entre São Pedro e Parede por razões de segurança

“A segurança das pessoas e bens é primordial e é prioritária. Um incómodo hoje pode evitar uma tragédia amanhã”, argumenta a autarquia de Cascais.

Governo suspende 18 obras na ferrovia no norte e centro

A modernização da Linha do Oeste, entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha, só deve arrancar no fim de 2020, sendo esta a data em que as obras deveriam estar concluídas e a ligação estabelecida e em funcionamento.

Angola: Orçamento Geral do Estado vai hoje a votos

A proposta final global prevê mais receitas e despesas para 2020. Dos 15,9 biliões de kwanzas (29,3 mil milhões de euros) consagrados, cerca de metade. é para pagar a dívida pública que é neste mo momento e 90% do Produto Interno Bruto angolano.
Comentários