Saíram de Portugal 30 mil milhões para ‘offshores’ em apenas três anos

Valor transferido para ‘offshores’ subiu 67% entre 2016 e 2018, face aos três anos anteriores. Suíça, Hong Kong e Emirados são destinos mais comuns.

Yves Herman/Reuters

Nos últimos três anos saíram de Portugal 30 mil milhões de euros para offshores. Um montante que equivale a mais de três vezes o orçamento do Serviço Nacional de Saúde e a 15% do PIB português. E que compara com os cerca de 18 mil milhões de euros que os bancos comunicaram ao Fisco relativos a transferências para paraísos fiscais, entre 2013 e 2015.

A Suíça é o destino de eleição, tendo absorvido mais de um terço dos montantes transferidos no ano passado. As Finanças não avançam com quaquer justificação para o crescimento de 67% das transferências no ultimo triénio face aos três anos anteriores. Mas fiscalistas alertam: há cada vez mais particulares e empresas a utilizarem estas sociedades sediadas em territórios com tributação mais favorável, avança o Jornal Económico esta sexta-feira (acesso pago).

Os dados constam das declarações que os bancos entregam todos os anos à Autoridade Tributária (modelo 38), sobre transferências para ‘offshore’. Só no ano passado, mais de 7.200 clientes empresariais e cerca de seis mil particulares fizeram passar por paraísos fiscais 8,9 mil milhões de euros.

Os dados da AT mostram que foram realizadas 113.875 transferências, mais 11.571 que em 2017. O crescimento significativo de operações faz-se sentir desde 2015 (22.291 transferências), devido às novas regras que obrigam os bancos a indicar as operações fracionadas que somem 12.500 euros. Os responsáveis por estas transferências também aumentaram: em 2017 foram 11.093 ordenantes, enquanto em 2018 eram 13.043.

Recomendadas

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.

Banco de Portugal quer rever regras sobre governo e controlo interno de bancos

Segundo o BdP, atualmente as regras que os bancos têm de cumprir estão nos avisos n.º 10/2011 sobre as regras que regem as remunerações e n.º5/2008 sobre sistema de controlo interno, considerando que é necessário rever estes regulamentos para levar em conta as melhores práticas e as “lições” que dos últimos anos permitiu retirar.

BCE lucra 2,4 mil milhões de euros em 2019

A maior fonte de receitas da instituição liderada por Christine Lagarde é a compra de ativos (1,4 mil milhões de euros em 2019), como a dívida pública. O Banco Central Europeu (BCE) teve um lucro de 2.366 milhões de euros em 2019, acima dos 1,6 mil milhões de euros reportados em 2018.
Comentários