Vodafone procura aliados para o 5G

Após a instalação da primeira antena de 5G no país, o operador quer “fomentar um ecossistema português propício ao desenvolvimento da nova tecnologia”.

A Vodafone Portugal instalou em 28 de março a primeira antena 5G em Portugal, após a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) ter libertado temporariamente o espectro na faixa dos 3,6 GHz, para testar a quinta geração das redes móveis em ambiente real. Um momento que fez a empresa liderada por Mário Vaz reclamar o estatuto de pioneira na corrida pelo 5G, num ano decisivo para a implementação da nova tecnologia no país. “Liderámos a introdução das anteriores tecnologias 3G e 4G. Acreditamos que o 5G não será exceção”, afirmou o Chief Tecnology Officer (CTO) da filial lusa do grupo britânico, João Nascimento, ao Jornal Económico.

Esta “bandeira” – hasteada com o apoio da Ericsson, “parceiro por excelência” do operador na corrida pelo 5G -, destina-se à fase de testes para empresas, universidades e startups que integram o centro de inovação “Vodafone 5G Hub”.

Estão neste grupo a Altran e a Celfinet, as empresas de crescimento rápido Nimest e Parkio, o Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa e a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

João Nascimento apontou a captação de mais parceiros tecnológicos no desenvolvimento de novos projetos dentro do formato 5G, a partir desta fase de testes.

“O objetivo da Vodafone é fazer crescer esta rede de parceiros por forma a representar todos os setores que beneficiarão desta tecnologia”, aclarou.

Lembrando também a primeira ligação 5G em Portugal com recurso a um protótipo de um smartphone de quinta geração, realizada pela Vodafone Portugal no passado mês de dezembro, o CTO_da telecom defendeu que são “estes significativos passos” que permitem conhecer de forma mais aprofundada a tecnologia 5G e explorar de forma mais concreta a sua utilização futura.

Esta estratégia permitirá – acredita João Nascimento – captar mais parceiros tecnológicos em áreas de atuação distintas e, por conseguinte, “fomentar um ecossistema propício ao desenvolvimento da nova tecnologia”.

Questionado sobre se os atuais parceiros – ou futuros – serão utilizados no desenvolvimento dos projetos que a Vodafone lançará no mercado europeu, nesta corrida pelo 5G, o administrador esclareceu: “Ainda é cedo para antecipar esse cenário. A fase em que nos encontramos no que diz respeito ao desenvolvimento do 5G passa por testar a tecnologia em ambiente real, com o máximo de use cases e de utilizações possíveis. Acreditamos que este é o caminho que deve ser percorrido para, assim, contribuir para uma aplicação muito mais eficaz do 5G quando este for lançado comercialmente”.

Leilão do 5G no final do ano?
O último relatório do Observatório Europeu para o 5G espera que o leilão das frequências para atribuição do espectro em Portugal no 5G ocorra durante o último trimestre deste ano, mas João Nascimento contou que “até à data não existe qualquer informação concreta sobre a atribuição de espectro”.

“Encaramos como um sinal positivo a disponibilidade demonstrada pela Anacom em responder positivamente ao pedido de utilização temporária de espectro, na faixa dos 3,6GHz, para que a Vodafone conseguisse colocar no ar esta primeira antena 5G do país”, frisou o gestor, antes de acrescentar que até “ao final do ano” a operadora vai instalar mais antenas 5G em Lisboa e no Porto.

Caberá à Anacom a promoção do leilão de frequências para atribuição do espectro às operadoras. Mas antes, o regulador terá ainda de proceder à retirada da Televisão Digital Terrestre (TDT ) das frequências que vão ser utilizadas para o 5G. A nova geração de rede móvel, que vai trazer débitos mais rápidos no acesso à internet e que deverá servir de base à evolução da nova era da indústria, terá a faixa dos 700 MHz.

Artigo publicado na edição nº 1983 de 5 de abril do Jornal Económico

Ler mais
Relacionadas

João Nascimento, CTO da Vodafone: “Liderámos a introdução do 3G e 4G. O 5G não será exceção”

Ainda que seja para testes em ambiente real, a Vodafone Portugal já conta com uma antena 5G, a primeira no país. E pretende instalar mais em Lisboa e no Porto até ao final de 2019. “A Vodafone Portugal é um bom exemplo [dentro do grupo], mas não é o único”, afirmou o Chief Technology Officer (CTO) da empresa, João Nascimento em entrevista ao Jornal Económico.

Jorge Graça, NOS: “O 5G é muito mais que uma antena”

A Nos junta-se ao à primeira Zona Livre Tecnológica em Portugal, em Matosinhos, numa parceria com a CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, onde será, para já, testada a adoção de opções de mobilidade sustentáveis. Para a telecom esta é uma oportunidade para testar outras funções no 5G, em ambiente real. Em entrevista ao JE, o administrador da Nos, Jorge Graça, falou sobre a iniciativa e como a ZLT contribuirá para o que se chama de Sociedade 5.0.
Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários