Volatilidade internacional deverá ajudar procura no leilão de dívida desta quarta-feira

Portugal realiza esta quarta-feira um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro (BT) com maturidades de seis e 12 meses. Analista antecipa ser “expectável que Portugal se financie a taxas de juro negativas”, à semelhança do que se tem verificado.

Cristina Bernardo

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública regressa esta quarta-feira ao mercado para um leilão duplo de dívida de curto prazo, com o objetivo de angariar até 1.750 milhões de euros. A entidade presidida por Cristina Casalinho vai colocar duas linhas de Bilhetes do Tesouro (BT) com maturidades de seis e 12 meses.

“É expectável que Portugal se financie a taxas de juro negativas, em linha com o que se tem verificado”, antecipa Nuno Caetano, analista da corretora Infinox. “Com os bancos centrais a reassegurar o mercado de que estão prontos a agir, as yields das obrigações têm afundado nos últimos tempos e não se  exclui a possibilidade de a dívida portuguesa de curto prazo atingir este marco”, acrescenta.

Nuno Caetano destaca ainda que se pode esperar “alguma procura aos dois leilões de curto prazo”, com os investidores a procurar alternativas à volatilidade que os mercados têm sentido nas últimas semanas, derivado das “incertezas referentes às tensões sentidas entre os EUA e o Médio Oriente”.

No último leilão comparável, a 18 de setembro, o Tesouro emitiu 1.250 milhões de euros em dívida a seis e 12 meses, com as taxas mais negativas face ao leilão de julho. Portugal pagou -0,44% para emitir mil milhões de euros em dívida a 12 meses, tendo a procura superado a oferta em duas vezes.

A instituição liderada por Cristina Casalinho emitiu ainda 250 milhões de euros em dívida a seis meses, com uma taxa de alocação de -0,463% e a procura superou a oferta em 4,7 vezes.

Segundo o programa de financiamento para 2020, o IGCP espera angariar 1,3 mil milhões de euros através da emissão de BT. No primeiro trimestre, prevê angariar até 4.500 milhões de euros na emissão de dívida a curto prazo, tendo um outro leilão duplo previsto para 19 de fevereiro e outro para 18 de março.

Ler mais

Relacionadas

PremiumO custo da dívida portuguesa vai cair mais?

Crescimento económico, consolidação orçamental, estabilidade política, melhorias na notação soberana, política monetária acomodatícia na zona euro

PremiumCristina Casalinho: “Faltam pelo menos dois anos para Portugal ter notação no nível A”

A presidente do IGCP, Cristina Casalinho, diz que pode demorar, mas o rating em ‘single A’ é crucial para alargar a base de investidores e beneficiar de novas tendências como a chegada de compradores japoneses à Europa.
Recomendadas

Von der Leyen aguarda “bons resultados” da presidência portuguesa da UE

Numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal desde que assumiu a presidência do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, antecipando a quarta presidência portuguesa da União, sublinha que esta “surge num momento crucial”, pois a pandemia, que provocou a maior crise na Europa desde a II Guerra Mundial, “ainda não acabou e a recuperação está ainda numa fase inicial”.

Von der Leyen: Portugal está no bom caminho energético e digital

“Já antes da pandemia, Portugal estava no bom caminho para garantir um cabaz energético mais limpo e uma maior digitalização”, declara a responsável, numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário.

Portugal será importante beneficiário do fundo de recuperação, sublinha Von der Leyen

Em entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen afirma que “os cidadãos portugueses lutaram de forma muito corajosa e disciplinada contra o vírus e até têm sido mais bem-sucedidos do que outros”, e podem contar com o apoio da UE, que ajudará igualmente a “impulsionar” a retoma da economia portuguesa.
Comentários