Vueling e Ryanair são as companhias aéreas que mais compensações rejeitam

Os viajantes afetados devem também estar informados de que atrasos superiores a três horas, cancelamentos e impedimentos de embarque podem dar direito a uma compensação de até 600 euros por passageiro.

Os atrasos das aeronaves e as malas perdidas ou danificadas geram queixas nas entidades próprias. Assim, a AirHelp realizou um estudo onde analisou as companhias aéreas que rejeitaram erradamente pedidos de compensações de passageiros, devido a perturbações em voos durante o ano de 2019.

A AirHelp, organização mundial líder em direitos dos passageiros aéreos, analisou as dez companhias aéreas com maior atividade em Portugal, verificando que 61% dos pedidos compensatórios deste ano tinham sido “injustamente rejeitados pelas companhias, impossibilitando os passageiros de receberem o dinheiro a que têm direito”.

Assim, a organização destaca pela negativa a espanhola Vueling Airlines, a irlandesa Ryanair e a britânica EasyJet. Quase todos os passageiros que submeteram um pedido de compensação válido à Vueling Airlines viram a sua reivindicação rejeitada pela empresa. A Ryanair rejeitou 98,4% dos pedidos que a AirHelp considerou válidos, enquanto a EasyJet recusou 87,3%.

A TAP Air Portugal surge em oitavo lugar, com uma diferença significativa aos três primeiros lugares ocupados por empresas não portuguesas. Desta forma, a TAP considerou que 40,6% dos pedidos de compensação eram injustos e acabaram por ser negados.

“Este estudo conclui que as companhias aéreas não estão a ‘jogar limpo’ e, por isso, não é de admirar que dois em cada três passageiros desistam depois do seu pedido de compensação inicial ter sido rejeitado”, aponta Carolina Becker, especialista em direitos dos passageiros aéreos da AirHelp.

“É extremamente injusto que as companhias aéreas rejeitam pedidos de compensação como uma tática para privar os passageiros do dinheiro que lhes pertence por direito”, afirma. “Em média, as companhias aéreas rejeitaram cerca de 30% a mais de reclamações este ano, comparativamente a 2018”, esclarece a especialista.

A especialista da AirHelp, Carolina Becker, sustenta ainda que “cerca de 7,6 milhões de passageiros foram afetados por perturbações em voos em Portugal, em 2019, e milhares vão envolver-se em batalhas legais e enfrentar lutas impossíveis para reivindicar o dinheiro a que têm direito”.

Os viajantes afetados devem também estar informados de que atrasos superiores a três horas, cancelamentos e impedimentos de embarque podem dar direito a uma compensação de até 600 euros por passageiro. O pedido de compensação pode ser submetido até três anos depois da data do voo em questão.

PosiçãoCompanhia AéreaTaxa de compensações rejeitadas erradamente 
1.Vueling Airlines99,9%
2.Ryanair98,4%
3.EasyJet87,3%
4.British Airways66,6%
5.Aer Lingus55,4%
6.Lufthansa52,7%
7.Air Europa52,4%
8.TAP Air Portugal40,6%
9.Air France31,4%
10.Transavia Airlines28,0%

Ler mais
Relacionadas

Portugal é o país europeu com maior percentagem de voos com atrasos ou cancelamentos

Nas contas da Airhelp, existem cerca de 238 mil passageiros elegíveis a receber compensações devido a atrasos ou cancelamentos de voos que partiram de Portugal.

51% dos passageiros aéreos europeus não confia nas companhias aéreas

O estudo da AirHelp revela que um numero alarmante de passageiros não confiam que as companhias aéreas com a legislação dos direitos dos passageiros.

Maioria dos passageiros aéreos da UE desconhece os seus direitos e não reclama centenas de euros

O regulamento europeu sustenta que “as companhias aéreas devem informar os viajantes acerca dos seus direitos e são obrigadas a pagar compensações de até 600 euros por pessoa, por perturbações que estejam previstas na lei”.
Recomendadas

PremiumRangel Pharma vai investir mais 12 milhões de euros

Após dez anos de atividade na logística farmacêutica, Nuno Rangel, CEO do Grupo Rangel, revela um plano de investimentos a cinco anos para quase duplicar a área de armazenagem e criar mais 130 empregos em Portugal.

PremiumCEO da Unicre: “Depois do Porto, estamos em conversas para pagamento ‘contactless’ nos transportes em Lisboa”

Pioneira nos cartões de crédito em Portugal, a Unicre lança um ‘rebranding’ para salientar a base digital, atrair clientes jovens e abrir portas a mercados internacionais, revela o presidente da empresa, João Baptista Leite.

PremiumTesla tem bateria de sobra para dar mais energia às ações

Em 2020, os títulos da Tesla já valorizaram mais 36%. Ao Jornal Económico, o banco de investimento Jefferies explica que a elétrica de Elon Musk tem muito mais para dar para além dos carros.
Comentários