Wall Street fecha em alta à boleia do emprego

Durante o mês passado, os EUA geraram 263.000 novos empregos, bem acima dos 185.000 previstos pelo consenso. Por sua vez, a taxa de desemprego caiu de 3,8% para 3,6%, abaixo dos 3,8% previstos, e situa-se no mínimo dos últimos 49 anos.

Reuters

Em abril de 2019, a taxa de desemprego nos EUA foi de 3,6% (3,8% no mês anterior) e isso impulsionou os três principais índices da bolsa de Nova Iorque que fecharam a última sessão da semana em alta.

O número de desempregados diminuiu para 5,824 milhões (6,211 milhões de desempregados em março de 2019).

O sentimento dos investidores foi impulsionado pelo relatório sobre o mercado de trabalho norte-americano relativo ao mês de abril, onde foram criados 263 mil postos de trabalho.

Durante o mês passado, os EUA geraram 263.000 novos empregos, bem acima dos 185.000 previstos pelo consenso. Por sua vez, a taxa de desemprego caiu de 3,8% para 3,6%, abaixo dos 3,8% previstos, e situa-se no mínimo dos últimos 49 anos, especificamente desde dezembro de 1969.

O S&P 500 subiu 0,96% para 2.945,64 pontos; o Dow Jones subiu 0,75% para 26.504,95 pontos e o Nasdaq subiu 1,58% para 8.164 pontos.

O relatório  de emprego de abril excedeu em muito as previsões do consenso e mais uma vez demonstrou a força do mercado de trabalho americano.

Além disso, o salário médio por hora aumentou a uma taxa de 3,2% ano a ano, ligeiramente abaixo dos 3,3% previstos. E a taxa de participação no mercado de trabalho caiu de 63% para 62,8%, abaixo dos 62,9% esperados.

Recorde-se que Jerome Powell, presidente do Fed, considerou “temporária” a baixa inflação atual nos EUA, o que afasta a possibilidade de um corte de juros no final do ano.

Ainda em termos macroeconómicos, o índice de serviços de ISM de abril foi publicado. Este índice do Institute for Supply Management (ISM) serve para medir a evolução dos Serviços nos Estados Unidos e é muito importante porque este setor pesa dois terços da economia americana. Este indicador caiu para 55,5 de 56,1 no mês passado, estando abaixo dos 57,0 projetados.

A Amazon registou ganhos de 3,21%, depois de Warren Buffett, o investidor mais famoso do mundo, confirmar que comprou ações da Amazon para a sua holding, a Berkshire Hathaway. A entrada de Buffett na Amazon vem depois de a Berkshire também se ter tornado um dos investidores de referência da Apple, outra gigante da tecnologia.

Os investidores também estão a olhar para a Tesla (4,48%), que anunciou na quinta-feira um reforço de capital de  2 mil milhões de dólares pelo qual Elon Musk finalmente receberá 25 milhões de dólares, após anunciar que iria comprar 10 milhões de ações num programa de share buy-back.

O petróleo West Texas subiu 0,10% para 61,87 dólares.

 

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários