Wall Street antecipa estímulos económicos e inicia sessão no ‘verde’

A política monetária domina o sentimento do mercado, com os analistas e os investidores a anteciparem um corte nas taxas de juro na União Europeia e nos Estados Unidos.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 3, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Os três principais índices da b0lsa de Nova Iorque iniciaram a sessão no verde, com ganhos superiores a 20%. O sentimento do mercado está a ser impulsionado pelas expectativas em torno da política monetária que poderão culminar como um corte das taxas de juro, quer no seio da zona euro, quer nos Estados Unidos.

Esta segunda-feira, dia 9 de setembro, após o toque do sino da sessão de abertura em Wall Street, o S&P 500 subia 0,29%, para 2.987,23 pontos; o tecnológico Nasdaq avançava 0,26%, para 7.873,15 pontos; e o industrial Dow Jones valorizava 0,26%, para 26.886,74 pontos.

Esta quinta-feira é esperado que o ainda presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, anuncie um pacote de medidas acomodatícias para estimular a economia da zona euro e impulsionar a inflação, e que podem passar por um corte nas taxas de juro.

O presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, revelou que não espera que a economia dos EUA entre em recessão. O presidente da Fed participou numa conferência na Universidade de Zurique na sexta-feira passada abordou ainda o impacto da guerra comercial entre os EUA e a China que, aliada ao arrefecimento do crescimento da economia mundial, poderá aumentar os riscos. Consequentemente, numa declaração que foi encarada pelos analistas como um possível corte nas taxas de juro dos EUA, Jerome Powell disse que a Fed irá continuar a “agir adequadamente” para impulsionar a economia.

De acordo com os analistas consultados pela “Reuters”, existem 91,2% de hipóteses de um corte das taxas de juro de 0,25% na reunião de setembro da Reserva Federal norte-americana.

Nas matérias-primas, o barril de Brent, referência para o mercado europeu, sobe 1,06%, para 62,19 dólares. Do outro lado do Atlântico, o West Texas Intermediate negoceia nos 57,43 dólares, depois de subir 1,61%.

 

 

Ler mais

Relacionadas

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

É quase certo que o BCE irá anunciar medidas de estímulo esta quinta-feira, mas há dúvidas sobre quais e quantas. A sinalização dessa postura mais acomodatícia nos últimos meses tem levado a quedas nos juros das obrigações soberanas da zona euro, algo que o IGCP vai tentar aproveitar novamente num leilão de dívida a 10 e 15 anos. A dívida portuguesa vai continuar em foco até final da semana, pois a S&P deverá divulgar avaliação do ‘rating’ na sexta-feira.

Trocas comerciais entre China e Estados Unidos diminuem com escalada de guerra de tarifas

Na quinta-feira, o Governo chinês anunciou em comunicado que as delegações da China e Estados Unidos que negoceiam um acordo comercial vão voltar a reunir em outubro, em Washington, informou hoje o Governo chinês, numa altura de crescentes disputas entre os dois países.
Recomendadas

PSI 20 em queda acompanha Europa condicionada pelos receios de propagação do coronavírus

Doze empresas cotadas desvalorizam, cinco valorizam e uma cotada negoceia sem variação na bolsa nacional.

Wall Street contagiada pelo Covid-19. Ganhos de 2020 foram anulados num dia

O petróleo também está a cair. Em Londres, o barril de Brent, referência para a Europa, tomba 4,12%, estando a negociar nos 55,55 dólares. Já o West Texas Intermediate, nos Estados Unidos, desvaloriza 3,97%, para 51,26 dólares.

Coronavírus em Itália leva a ‘mini-crash’ nas bolsas da Europa

NOS, Mota-Engil, CTT e BCP lideram nas quedas de mais de 5%. A Europa viu os mercados de ações caírem fortemente com o avanço do coronavírus no norte de Itália. O ouro acabou por ser visto como ativo de refúgio e sobe 1,81%. Ao contrário o petróleo está em queda expressiva.
Comentários