Wall Street arranca em alta à espera da Fed

Os três principais índices bolsistas norte-americanos começam a sessão desta quarta-feira no ‘verde’.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta quarta-feira, o segundo e último dia da reunião de política monetária da Reserva Federal (Fed), em terreno misto, enquanto os investidores aguardam a decisão sobre as taxas de juro e a divulgação de mais dados sobre a economia norte-americana por parte de Jerome Powell.

“O banco central já disse que as compras de ativos se vão manter até conseguir alcançar ‘progresso substancial’ em relação aos seus objetivos de inflação e emprego. A direção das bolsas americanas dependerá da mensagem da Fed. Será possível assistir a ligeiros avanços das bolsas caso a Fed mantenha o tom dovish apesar do anúncio do tapering e não surjam novos sobressaltos devido à Evergrande”, explicam os analistas do Bankinter, numa nota de mercado.

Wall Street começa as negociações com o índice industrial Dow Jones a subir 0,49% para 34.118,82 pontos, o financeiro Standard & Poor’s (S&P) 50o a somar 0,41% para 4.372,70 pontos e o tecnológico Nasdaq a ganhar 0,23% para 14.780,30 pontos. Por sua vez, o Russel 2000 valoriza 0,71% para 2.205,85 pontos.

“Em reações, a resultados a General Mills [+2,31% para 59,35 dólares] valoriza, enquanto a Adobe [-4,29% para 618,20 dólares] e a Fedex [-8,36% para 230,99 dólares] recuam. A empresa de serviços de entrega e distribuição cortou o outlook depois de no último trimestre o aumento de custos ter ofuscado o aumento de preços. Destaque ainda para o stock dividend de 50% na Raymond James Financial”, destaca Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

O preço do ‘ouro negro’ está a subir mais de 1%. O preço do WTI, produzido no Texas, avança 1,70% para os 71,69 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a valorizar 1,75% para os 75,66 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro segue praticamente inalterado face ao dólar, a subir 0,03% para os 1,1726 dólares, enquanto a libra esterlina cai 0,29% face à moeda dos Estados Unidos, para os 1,362 dólares.

“A reunião da Fed poderá impulsionar o dólar americano, colocando o par dólar-iene janponês exposto a períodos de maior volatilidade. Por outro lado, se o dólar reagir em baixa após a decisão dos membros da FOMC [Federal Open Market Committee], o par poderá quebrar abaixo da atual estrutura e movimentar-se em direção à marca dos 108,20″, escreve Nuno Mello, analista da XTB, em research.

Relacionadas

Nervosismo domina Wall Street, que espera pela Fed

O mote de ontem foi mesmo o da inconstância, o típico “serrote”.
Recomendadas

S&P 500 inverte tendência de abertura e fecha no verde na antecâmara de resultados do sector tecnológico

Numa semana que verá gigantes tecnológicos como a Netflix ou a Tesla reportarem os seus resultados do terceiro trimestre, a expectativa quanto a números fortes quanto ao sector empresarial norte-americano acabou por levar a melhor face às preocupações do início da sessão causadas pelos desapontantes dados macro vindos dos EUA e da China.

PSI-20 fecha em queda alinhada com bolsas da Europa que foram afetadas pela China

O índice lisboeta fechou com 11 títulos em queda, dos quais se destacam os da Jerónimo Martins que recuaram -2,47%, os da Sonae que perderam -1,35% e os do BCP que voltaram a cair. Na Europa, os ventos asiáticos derrubaram bolsas. Crise energética faz subir yields.

Wall Street começa semana no vermelho depois de dados desapontantes nos EUA e China

A semana arrancou com dados negativos sobre a produção industrial americana e chinesa, onde os números do crescimento no terceiro trimestre também desapontaram ao mostrar uma evolução do PIB abaixo do esperado.
Comentários