Wall Street arranca no verde influenciada pelos resultados das retalhistas

Outro fator que parece ter tido alguma influência no arranque de Wall Street foi o anúncio que a Food and Drug Administration (FDA) se prepara para autorizar uma dose mais fraca da vacina contra a Covid-19, produzida pela Pfizer, para crianças entre os cinco e os onze anos.

Os principais índices bolsistas norte-americanos arrancaram a sessão desta quarta-feira em terreno positivo, animados com os resultados trimestrais de algumas empresas, que apresentaram receitas acima do esperado pelos analistas.

Outro fator que parece ter tido alguma influência no arranque de Wall Street foi o anúncio de que a Food and Drug Administration (FDA) se prepara para autorizar, nos Estados Unidos, a administração de uma dose mais fraca da vacina contra a Covid-19, produzida pela Pfizer, para crianças entre os cinco e os onze anos.

No início da sessão, o S&P 500 sobe 0,05%, para 4.577,20 pontos e o tecnológico Nasdaq valoriza 0,47%, para 15.306,6 pontos. Já o industrial Dow Jones arranca em terreno negativo a ganhar 0,11%, para 35.797,01 pontos.

Entre as empresas, destaque para a Coca-Cola, cujas ações valorizam 2,41% no inicio da sessão. Em causa está o facto de a empresa ter apresentado resultados que superaram as expectativas dos analistas e que motivaram, inclusive, a revisão da sua previsão anual. Também a McDonald’s arranca a sessão em terreno positivo, com as ações a valorizarem 1,43% que, à semelhança da Coca-Cola, também apresentou resultados melhores do que a previsão dos analistas de mercado.

Em relação ao preço do barril de petróleo, em Nova Iorque, o WTI diminui 1,15% para os 83.67 dólares por barril, enquanto o Brent desvaloriza 1,12% para os 84.70 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro aprecia 0,19% face ao dólar norte-americano para os 1,1617 dólares, enquanto a libra esterlina deprecia 0,26% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,3731 dólares.

Recomendadas

Sector tecnológico castiga Wall Street numa semana vermelha

A semana terminou com perdas, depois da descoberta da variante Ómicron ter causado preocupações nos investidores. Sectores como o tecnológico e o das viagens foram os mais castigados num dia em que títulos pró-cíclicos, como a banca, também não escaparam às perdas.

PSI-20 ao nível pré-pandémico em novembro próximo dos 5.500 pontos

No final de novembro de 2021, o PSI 20 atingiu o valor de 5.433,1 representando uma diminuição mensal de -5,2% invertendo a trajetória positiva iniciada no mês de agosto.

Apesar da subida de 5% da GreenVolt a Bolsa de Lisboa cai em linha com as principais praças da Europa

O analista de mercados do Millennium investment banking, Ramiro Loureiro, diz que os setores de “Alimentação, Energia e Utilities escaparam à correção generalizada nas bolsas”.
Comentários