Wall Street cai outra vez por culpa das tecnológicas

Mas não só: os números do desemprego continuam a não descansar os investidores e a Reserva Federal deu-lhes razão. Entretanto, os investidores estiveram a tomar mais-valias

Os principais índices norte-americanos tiveram mais um dia no vermelho, tal como havia sucedido antes aos seus homólogos europeus. O Dow Jones caiu 129,94 pontos, ou 0,46%, para 27.902,44 pontos; o S & P 500 perdeu 28,42 pontos, ou 0,84%, para 3.357,07 e o Nasdaq caiu 140,19 pontos, ou 1,27%, para os 10.910,28 pontos.

As ações caíram, uma vez que os papéis relacionados com as empresas tecnológicas ´puxaram’ o mercado para baixo, que, por outro lado, não resistiu aos mais altos níveis de pedidos de subsídios de desemprego semanais.

Os analistas já esperavam que, mais tarde ou mais cedo, as tecnológicas acabariam por passar por um dia mau, depois da recuperação de agosto, disse Jake Dollarhide (um nome muito apropriado), CEO da consultora Longbow Asset Management, citado pela agência Reuters. “As tecnológicas tiveram uma incrível última semana de agosto, e acho que este é um cenário racional de realização de lucros no momento.” Dollarhide espera que os papéis das tecnológicas voltem ao caminho ascendente antes do final do ano.

Para aumentar as preocupações em torno de uma recuperação económica que parece cada vez mais estagnada, o relatório do Departamento do Trabalho deu a conhecer que o número de norte-americanos que pediram novos pedidos de subsídios de desemprego caiu na semana passada, mas permaneceu a níveis considerados extremamente altos.

Estes resultados acabaram por acumular o descontentamento causado pela intervenção, no dia anterior, da Federal Reserve, que se comprometeu a manter as taxas de juros baixas por um período prolongado para retirar a maior economia do mundo de uma recessão induzida por uma pandemia.

O presidente do Fed, Jerome Powell, expôs uma quantidade de fatores – incluindo o crescimento dos salários, a participação da força de trabalho e disparidades no desemprego das minorias em relação aos brancos – que devem ser revistos antes que de o Fed considerar o aumento das taxas de juros.

“Os investidores adoram quando o Fed reduz as taxas, porque acham que isso é bom para o mercado”, disse Dollarhide. “Mas se o Fed diz que precisamos de manter as taxas baixas por mais tempo, as pessoas começam a preocupar-se com a economia em si.”

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 penalizado pelos prejuízos da Galp no arranque da sessão

O PSI 20 acompanha também a tendência das principais congéneres europeias, numa altura em que o número de infetados com o novo coronavírus continua a aumentar na Europa.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A semana será marcada pela discussão e votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2021. Os analistas e investidores estarão ainda atentos à reunião do Banco Central Europeu e aos sinais que chegam sobre a economia, através da publicação da estimativa rápida do PIB da zona euro, do terceiro trimestre.

Preço do petróleo mantém-se baixo para além de 2021, considera Banco Mundial

“Os preços do petróleo devem aumentar muito gradualmente face aos níveis atuais e chegar a uma média de 44 dólares em 2021, subindo face aos estimados 41 dólares por barril este ano, num contexto de uma recuperação lenta da procura e um abrandamento nas restrições à oferta”, lê-se no relatório sobre a evolução das matérias-primas.
Comentários