Wall Street cai 10% após medidas de emergência da Fed

Os mercados não estão a reagir bem às medidas da Reserva Federal. O Dow Jones esteve a perder 9,71% e o financeiro S&P 500 a cair 8,14 %, o que levou à suspensão das negociações. Na Europa, o sentimento é semelhante, tendo em conta que as bolsas de Lisboa, Madrid, Milão, Frankfurt, Paris ou Amesterdão estão a cair entre 7 e 12%.

Reuters

O binómio que envolve a propagação da pandemia Covid-19 e as medidas das autoridades mundiais (governos e bancos centrais) para atenuar o impacto económico continua a fazer com que os mercados norte-americanos sejam marcados pela volatilidade. A bolsa de Nova Iorque regressou às perdas, depois de ter terminado a última semana com fortes ganhos, os maiores (diários) desde a crise financeira de 2008.

Esta segunda-feira, os três principais índices de Wall Street iniciaram a sessão em terreno negativo, um dia depois de a Reserva Federal (Fed) ter anunciado um corte extraordinário da taxa de juro – de 100 pontos base – para um intervalo entre 0% e 0,25% e um plano de recompra de dívida, que inclui obrigações e instrumentos indexados ao crédito hipotecário, para manter a liquidez da praça e ‘segurar’ o dólar.

A queda acentuada levou, pouco depois, à suspensão das negociações pela terceira vez seis dias. Apesar dos estímulos, os investidores aparentam não saber o que fazer nos próximos tempos.

Aquando da “reabertura”, o Dow Jones perdia 10,57%, para 20.734,66 pontos, e o financeiro S&P 500 tombava 10,61%, para os 2.427,30 pontos. Já o Nasdaq cai 9,60%, para 7.130,56 pontos, e o Russel 2000 desvaloriza 9,20%, para 1.064,65 pontos.

“O sell-off volta a ser generalizado”, afirma Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, numa nota de mercado enviada pouco antes da abertura do mercado.

Na Europa, o sentimento é semelhante, tendo em conta que as bolsas de Lisboa, Madrid, Milão, Frankfurt, Paris ou Amesterdão estão a cair entre 7 e 12%.

“O difundir da doença tem-se sobreposto às medidas adotadas pelos diversos governos e bancos centrais. Até agora, as autoridades têm-se centrado na política monetária, cujos resultados têm sido, pelo menos no curto prazo, bastante limitados. Não é de excluir que estas medidas tão extremas dos Bancos Centrais não transmitam, entre alguns investidores, um sentimento de que a emergência é maior do que a perceção do mercado”, referem os analistas do CaixaBank/BPI Research.

O preço do petróleo também está a cair fortemente. A cotação do barril de Brent está a cair 10,75%, para 30,24 dólares, enquanto a cotação do crude WTI perde 8,35%, para 29,43 dólares por barril.

Quanto ao mercado cambial, o euro aprecia 0,41% face ao dólar (1,1151) e a libra esterlina “desvaloriza” 0,13% perante a divisa dos Estados Unidos (1,2260).

Os analistas do Bankinter dizem que “devemos esperar mais um pouco pela estabilização, com cabeça fria”. “A recompensa é sempre de médio ou longo-prazo, enquanto o ruído é sempre de curto-prazo”, explicam.

Notícia atualizada às 14h05

Ler mais

Relacionadas

Brent afunda mais de 10% e toca mínimos de 2004

A matéria-prima tem sofrido sucessivas depreciações, fruto de um forte abrandamento da procura do barril de Brent resultante das restrições levantadas por todo o mundo, consequência da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

PSI 20 tomba mais de 6%. Todas as cotadas negoceiam no ‘vermelho’

Praça lisboeta encontra-se a cair 6,47%, para 3.589,14 pontos a meio da manhã desta segunda-feira, seguindo a tendências das suas congéneres europeias.

Fed reage novamente ao coronavírus e corta taxa de juro em 100 pontos base, para intervalo entre 0% e 0,25%

Trata-se do segundo corte na ‘federal funds rate’ anunciado pelo banco central liderado por Jerome Powell este mês. “Os efeitos do coronavírus irão pesar na atividade económica a curto prazo e apresenta riscos ao outlook económico”, explicou a Fed. Há também mais compra de títulos, medidas para a banca e coordenação com outros bancos centrais.
Recomendadas

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.

Sexta sessão em queda. Bolsa de Lisboa penalizada por perdas do BCP e Galp

Num quadro pintado de encarnado, a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem ambas cerca 0,20%. Nas restantes praças europeias, igualmente pessimistas, destacam-se as transações de M&A da banca espanhola – desta feita, entre o Unicaja e o Liberbank.

Depois das fortes quedas de quarta-feira, Wall Street abre em baixa

As inscrições no desemprego nos Estados Unidos aumentaram na última semana, sugerindo uma recuperação mais lenta do mercado laboral devido às medidas restritivas para limitar a propagação de covid-19, indicam os números divulgados hoje.
Comentários