Wall Street: Dow sobe acima dos 27 mil pontos pela primeira vez

O setor tecnológico foi penalizado com o projeto apresentado pelo ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, em começar a aplicar um imposto de 3 % às empresas tecnológicas tecnológicas norte-americanas sobre as suas receitas geradas em França.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly before the closing bell in New York, U.S., January 6, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque registaram um desempenho misto na penúltima sessão da semana. O S&P 500 quase voltou a chegar aos três mil pontos, fixando-se em 2.999,71 pontos, ao valorizar 0,22%. O tecnológico Nasdaq fechou em baixa, perdendo 0,08%, para 7.896,78 pontos; e o Dow Jones registou máximos históricos, superando pela primeira vez os 27 mil pontos, fechando a sessão em 27.088,08 pontos, depois de acumular 0,85%.

O setor tecnológico foi penalizado com o projeto apresentado pelo ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, em começar a aplicar um imposto de 3 % às empresas tecnológicas tecnológicas norte-americanas sobre as suas receitas geradas em França. O projeto ainda tem de ser discutido pelos restantes ministros antes de ser submetido ao parlamento francês, e poderá impactar 30 empresas tecnológicas, com o Estado francês a amealhar cerca de 565 milhões de dólares.

O grupo de empresas tecnológicas conhecido como as GAFA foi penalizado. A Alphabet, dona da Google, foi a única que se manteve no ‘verde’, ao valorizar 0,28%. A Apple caiu 0,73%, o Facebook perdeu 0,74% e a Amazon desvalorizou 0,81%.

O presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, testemunhou perante o Congresso na quarta-feira, com as suas palavras ainda a fazem eco. Os mercados antecipam com maior probabilidade que a Fed corte as taxas de juro já na reunião que se realizará no final deste mês, marcada para os dias 30 e 31.

Nas matérias-primas, o preço do barril de Brent está a negociar em 66,72 dólares, ao desvalorizar 0,43%. Por sua vez, o West Texas Intermediate mantém-se inalterado, subindo 0,02%, para 60,44 dólares.

Relacionadas

Reforço da queda das taxas de juros dá saúde a Wall Street

As ações no setor da saúde são as que mais valorizam um dia após as declarações de Jerome Powell perante o Congresso norte-americano. Corte nas taxas de juro no final de julho ganha cada vez mais força.

Wall Street fecha em alta com o reforço da tese da queda dos juros nos EUA

O ambiente positivo de Wall Street resulta do facto do presidente da Fed ter mostrado abertura para descer os juros nos EUA já este mês. Escalada dos preços do petróleo, no dia em que foi revelado que as reservas de crude nos Estados Unidos desceram bastante mais que o previsto na semana passada.
Recomendadas

Junho será o mês dos Touros ou dos Ursos?

Para que lado irá pender a balança dos investidores no último mês do primeiro semestre de 2020?

Topo da Agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A reunião do Banco Central Europeu é o grande evento da semana, com a perspetiva de um aumento do programa de compra de ativos. Os dados do desemprego nos dois lados do Atlântico vão também estar em foco.

Trump corta laço com a OMS mas não sobe tarifas à China e Wall Street fecha mista

Os Estados Unidos vão aumentar o escrutínio das empresas chinesas cotadas em Nova Iorque, algo que a Tencent se prepara para fazer já na próxima semana. “As empresas de investimento não devem sujeitar os clientes aos riscos escondidos e impróprios associados ao financiamento de empresas chinesas que não seguem as mesmas regras”, disse esta sexta-feira Donald Trump.
Comentários