Wall Street encerra no ‘verde’ animada com discurso de Powell

No discurso que se seguiu ao anúncio da decisão da Fed de manter as taxas de juro inalteradas, Jerome Powell voltou a sublinhar o impacto da pandemia na economia norte-americana, particularmente em sectores como o turismo, hospitalidade e lazer, e reforçou a disponibilidade do organismo que lidera para manter o apoio à retoma.

Os principais índices em Nova Iorque encerraram o dia em terreno positivo. A bolsa norte-americana continua animada com as perspetivas de recuperação económica no país, após o presidente da Reserva Federal reforçar o compromisso do organismo com o apoio à retoma nos EUA e, apesar de vários governadores do Comité da autoridade monetária verem já progresso suficiente no mercado laboral, esclareceu que pretende ver a economia passar “um teste mais exigente” neste capítulo.

No discurso que se seguiu ao anúncio da decisão da Fed de manter as taxas de juro inalteradas, Jerome Powell voltou a sublinhar o impacto da pandemia na economia norte-americana, particularmente em sectores como o turismo, hospitalidade e lazer, e reforçou a disponibilidade do organismo que lidera para manter o apoio à retoma, cujo fulgor tem sido afetado por novos surtos causados pela variante Delta.

O S&P 500 ganha 0,93% para os 4.394,80 pontos. O tecnológico Nasdaq encerra a subir 1,02% para 14.896,8 pontos. O índice industrial Dow Jones também encerra o dia em terreno positivo, a subir 1,00% para 34.258,32 pontos.

Nas empresas, destaque pela negativa para a FedEx, cujas ações encerram a sessão a desvalorizar 9,12%, na sequência da divulgação do seu Outlook de lucro anual onde reportou contas aquém do previsto, devido a custos mais elevados e ao crescimento estagnado nas remessas.

O preço do barril de petróleo está a subir nos dois lados do Atlântico. Em Nova Iorque, o WTI diminuiu 2,10% para os 71.97 dólares por barril, enquanto o Brent está a valorizar 2,27% para os 76.05 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,25% face ao dólar norte-americano para os 1,1694 dólares. A libra esterlina aprecia 0,29% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,3620 dólares.

Recomendadas

S&P 500 inverte tendência de abertura e fecha no verde na antecâmara de resultados do sector tecnológico

Numa semana que verá gigantes tecnológicos como a Netflix ou a Tesla reportarem os seus resultados do terceiro trimestre, a expectativa quanto a números fortes quanto ao sector empresarial norte-americano acabou por levar a melhor face às preocupações do início da sessão causadas pelos desapontantes dados macro vindos dos EUA e da China.

PSI-20 fecha em queda alinhada com bolsas da Europa que foram afetadas pela China

O índice lisboeta fechou com 11 títulos em queda, dos quais se destacam os da Jerónimo Martins que recuaram -2,47%, os da Sonae que perderam -1,35% e os do BCP que voltaram a cair. Na Europa, os ventos asiáticos derrubaram bolsas. Crise energética faz subir yields.

Wall Street começa semana no vermelho depois de dados desapontantes nos EUA e China

A semana arrancou com dados negativos sobre a produção industrial americana e chinesa, onde os números do crescimento no terceiro trimestre também desapontaram ao mostrar uma evolução do PIB abaixo do esperado.
Comentários