Wall Street fecha em alta com acordo na guerra comercial

Os EUA irão retirar progressivamente as tarifas sobre as exportações chinesas e a China irá adquirir mais exportações americanas. A China confirmou o acordo com os EUA.

Brendan McDermid / Reuters

O Dow Jones encerrou a subir 0,01% para 28.135,38 pontos, o S&P 500 avançou também 0,01% para 3.168,80 pontos, após marcar durante o dia o valor mais alto de sempre, nos 3.182,68 pontos. Já o tecnológico Nasdaq Composite também fechou a valorizar 0,20% para 8.734,88 pontos. Durante a sessão estabeleceu um novo recorde nos 8.768,87 pontos.

A bolsa dos EUA reagiu assim à aprovação do presidente americano da fase 1 do acordo comercial parcial entre EUA e China e por conseguinte da eliminação das tarifas adicionais a produtos chineses, cuja entrada em vigor estava prevista para 15 de dezembro. Estas notícias trouxeram otimismo aos investidores.

A China confirmou que chegou a um acordo comercial de fase um com os Estados Unidos, depois dos media norte-americanos terem revelado na quinta-feira um pacto entre as duas primeiras economias do mundo.

O facto de o acordo EUA China não ter revertido tarifas aplicadas anteriormente, algo que poderá vir a ocorrer somente de forma faseada, poderá ter refreado os ânimos dos investidores.

Os últimos dados das vendas a retalho nos EUA revela que ficaram aquém do esperado. As vendas a retalho que afetam diretamente o cálculo do PIB, recuperaram 0,1% em novembro, abaixo dos 0,3% esperados. E as vendas totais no retalho aumentaram 0,2%, também abaixo dos 0,5% previstos.

Noutros mercados, o petróleo do West Texas sobe 1,3%, para 60 dólares. Além disso, o euro valoriza 0,3% e passa para 1,113 dólares.

 

 

 

Ler mais

Recomendadas

Novo plano de estímulos económicos anima Wall Street

O pacote de estímulos, no valor de 2,4 biliões de dólares, tem várias ajudas, incluindo benefícios para os desempregados, pagamentos diretos e medidas de apoio às pequenas e médias empresas.

Lira turca afunda para mínimos históricos com conflito azeri-arménio

A Turquia, cuja divisa tem desvalorizado fortemente ao longo do último ano, poderá estar prestes a entrar noutra frente para a qual lhe falta capacidade económica e política de resolução, alertam os especialistas.
Miguel Maya

Banca anima Europa. PSI-20 sobe mais de 2%

Na Europa, o setor bancário esteve entre os mais animados, subindo 5,63% que beneficiou da subida de quase 9% do gigante HSBC. Em Portugal, as ações do Millennium bcp inverteram a tendência negativa e subiram 4,17%.
Comentários