Wall Street fecha em baixa após Donald Trump dizer que acordo comercial pode “esperar”

O Dow Jones caiu 1,01% sobretudo penalizado pelas quedas da Apple, Goldman Sachs, Home Depot e Boeing.

Reuters

A Bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão desta terça-feira, dia 3 de dezembro, em terreno negativo, na sequência das declarações de Donald Trump de que prefere aguardar pelas próximas eleições presidenciais para fechar um acordo comercial com a China.

Os três principais índices norte-americanos encerraram no ‘vermelho’. O industrial Dow Jones caiu 1,01% para os 27.502,81 pontos, o financeiro S&P 500 recuou 0,66%, para os 3.093,42 pontos e o tecnológico Nasdaq deslizou 0,55%, para os 8.520,64 pontos. Já o Russel 2000 ficou marcado por uma desvalorização de 0,41%, para 1.602,50 pontos.

O índice Dow Jones ficou sobretudo penalizado pelas quedas da Apple (-1,78%, para 259,45 dólares), Goldman Sachs (-2,48%, para 212,24 dólares), Home Depot (-1,66%, para 214 dólares), Boeing (-0,87%, para 352,08 dólares), Citigroup (-1,60%, para 73,33 dólares) e Bank of America (-1,76%, para 32,84 dólares). Em relação ao S&P 500, houve nove setores de atividade em baixa, como a energia, o financeiro e o industrial.

Donald Trump afirmou, em declarações à “CNBC”, que o país não tem “uma data limite” para assinar o referido acordo. “E se me perguntarem, prefiro esperar depois das eleições para assinar um acordo”, sublinhou. “Gosto da ideia de esperar até assinar um acordo com a China (..). Eles querem assinar agora, mas teríamos de ver se é ou não adequado”, explicou o presidente norte-americano ao mesmo canal.

Além disso, Donald Trump ameaçou hoje aplicar tarifas no valor de 2,4 mil milhões de dólares aos produtos franceses em retaliação ao imposto sobre gigantes mundiais da tecnologia, incluindo a Google, a Amazon e o Facebook.

Tal como lembram ainda os analistas do CaixaBank/BPI Research, numa nota de mercado, ontem, o presidente Donald Trump “anunciou que irá reimplementar as tarifas sobre as importações de aço provenientes do Brasil e da Argentina”, acusando “estes dois países de artificialmente desvalorizarem as suas moedas”, o que acaba por penalizar “a competitividade dos agricultores americanos face aos seus pares argentinos e brasileiros”.

Em relação aos preços do petróleo, a cotação do barril de Brent está a subir 0,15%, para 61,01 dólares, enquanto a cotação do crude WTI avança 0,61%, para 56,30 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro “aprecia” 0,02% face ao dólar (1,1080) e a libra “valoriza” 0,46% perante a divisa dos Estados Unidos (1,2996).

Ler mais

Relacionadas

Wall Street em queda depois de Trump admitir adiamento do acordo comercial com a China para 2020

Em declarações à CNBC, Donald Trump referiu que “não temos uma data limite [para assinar um acordo], e se me perguntarem, prefiro esperar depois das eleições para assinar um acordo”.
Recomendadas

Wall Street fecha em alta com acordo na guerra comercial

Os EUA irão retirar progressivamente as tarifas sobre as exportações chinesas e a China irá adquirir mais exportações americanas. A China confirmou o acordo com os EUA.

Preço do barril de Brent sobe 1,64% para 65,25 dólares

O preço do barril de petróleo Brent para entrega em fevereiro terminou hoje no mercado de futuros de Londres em alta de 1,64%, para os 65,25 dólares. O crude do mar do Norte, de referência na Europa, concluiu a sessão no International Exchange Futures a cotar 1,05 dólares acima dos 64,20 com que encerrou as […]

Bolsa de Lisboa sobe com BCP a valorizar quase 2%

A sessão foi marcada essencialmente por dois fatores. Por um lado a vitoria dos Conservadores nas eleições inglesas e o alegado acordo na fase 1 entre os EUA e a China. Por cá BCP, EDP e Galp lideram ganhos e NOS e Altri lideram perdas.
Comentários