Wall Street fecha ‘flat’. Wells Fargo tomba 5%

Em termos macroeconómicos, destaque para a divulgação dos Índice de Preços ao Consumidor norte-americano. A inflação nos Estados Unidos subiu de forma ligeira em dezembro, o que pode fazer com que a Reserva Federal mantenha as taxas de juros inalteradas.

Reuters

A Bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão desta terça-feira, dia 14 de janeiro, “flat”. A ditar o sentimento dos mercados financeiros norte-americanos está essencialmente o arranque da earnings season e o aproximar da assinatura da primeira fase do acordo entre os Estados Unidos da América (EUA) e a China.

Os três principais índices norte-americanos encerraram mistos. O industrial Dow Jones subiu 0,11% para os 28.939,67 pontos; o financeiro S&P 500 recuou 0,15%, para os 3.283,10 pontos e o tecnológico Nasdaq deslizou 0,24%, para os 9.251,33 pontos. Já o Russel 2000 ficou marcado por uma valorização de 0,40%, para 1.676,30 pontos.

“A influenciar o sentimento do mercado está a proximidade da data para a assinatura do acordo de fase 1 entre os EUA e a China, que começa a gerar incerteza e contração ao investimento em bolsa. Não obstante, o vice-primeiro-ministro chinês já chegou a solo americano”, lembra André Pires, analista da XTB.

A nível empresarial, sobressai a banca devido à recente divulgação dos relatórios e contas do quarto trimestre de 2019. A Wells Fargo (-5,35%, para 49,32 dólares) não seguiu o otimismo demonstrado pelo Citigroup (1,55%, para 81,90 dólares) e pela JP Morgan (1,12%, para 138,73 dólares).

“A JP Morgan reportou um lucro de 2,57 dólares/ação e uma margem financeira de 14 mil milhões de dólares. Ambas rubricas superaram as previsões de 2,35 dólares/ação e 13.950 milhões de dólares, respetivamente. Os resultados do Citigroup espelharam um padrão semelhante”, referem os analistas do CaixaBank/BPI Research, numa nota de mercado publicada hoje.

Em termos macroeconómicos, destaque para a divulgação dos Índice de Preços ao Consumidor (IPC) norte-americano. A inflação nos Estados Unidos subiu de forma ligeira em dezembro, o que pode fazer com que a Reserva Federal mantenha as taxas de juros inalteradas, pelo menos, até ao final deste ano. O IPC aumentou 0,2% no mês passado, depois de ter crescido 0,3% em novembro de 2019, segundo o Departamento do Trabalho.

Em relação ao petróleo – cujos inventários semanais serão divulgados hoje às 21h40 –, a cotação do barril de Brent sobe 0,65%, para 64,62 dólares, enquanto a cotação do crude WTI avança 0,53%, para 58,39 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro deprecia 0,06% face ao dólar (1,1128), enquanto a libra “valoriza” 0,27% perante a divisa dos Estados Unidos (1,3022).

Ler mais

Recomendadas

Novo plano de estímulos económicos anima Wall Street

O pacote de estímulos, no valor de 2,4 biliões de dólares, tem várias ajudas, incluindo benefícios para os desempregados, pagamentos diretos e medidas de apoio às pequenas e médias empresas.

Lira turca afunda para mínimos históricos com conflito azeri-arménio

A Turquia, cuja divisa tem desvalorizado fortemente ao longo do último ano, poderá estar prestes a entrar noutra frente para a qual lhe falta capacidade económica e política de resolução, alertam os especialistas.
Miguel Maya

Banca anima Europa. PSI-20 sobe mais de 2%

Na Europa, o setor bancário esteve entre os mais animados, subindo 5,63% que beneficiou da subida de quase 9% do gigante HSBC. Em Portugal, as ações do Millennium bcp inverteram a tendência negativa e subiram 4,17%.
Comentários