Wall Street fecha ‘flat’. Wells Fargo tomba 5%

Em termos macroeconómicos, destaque para a divulgação dos Índice de Preços ao Consumidor norte-americano. A inflação nos Estados Unidos subiu de forma ligeira em dezembro, o que pode fazer com que a Reserva Federal mantenha as taxas de juros inalteradas.

Reuters

A Bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão desta terça-feira, dia 14 de janeiro, “flat”. A ditar o sentimento dos mercados financeiros norte-americanos está essencialmente o arranque da earnings season e o aproximar da assinatura da primeira fase do acordo entre os Estados Unidos da América (EUA) e a China.

Os três principais índices norte-americanos encerraram mistos. O industrial Dow Jones subiu 0,11% para os 28.939,67 pontos; o financeiro S&P 500 recuou 0,15%, para os 3.283,10 pontos e o tecnológico Nasdaq deslizou 0,24%, para os 9.251,33 pontos. Já o Russel 2000 ficou marcado por uma valorização de 0,40%, para 1.676,30 pontos.

“A influenciar o sentimento do mercado está a proximidade da data para a assinatura do acordo de fase 1 entre os EUA e a China, que começa a gerar incerteza e contração ao investimento em bolsa. Não obstante, o vice-primeiro-ministro chinês já chegou a solo americano”, lembra André Pires, analista da XTB.

A nível empresarial, sobressai a banca devido à recente divulgação dos relatórios e contas do quarto trimestre de 2019. A Wells Fargo (-5,35%, para 49,32 dólares) não seguiu o otimismo demonstrado pelo Citigroup (1,55%, para 81,90 dólares) e pela JP Morgan (1,12%, para 138,73 dólares).

“A JP Morgan reportou um lucro de 2,57 dólares/ação e uma margem financeira de 14 mil milhões de dólares. Ambas rubricas superaram as previsões de 2,35 dólares/ação e 13.950 milhões de dólares, respetivamente. Os resultados do Citigroup espelharam um padrão semelhante”, referem os analistas do CaixaBank/BPI Research, numa nota de mercado publicada hoje.

Em termos macroeconómicos, destaque para a divulgação dos Índice de Preços ao Consumidor (IPC) norte-americano. A inflação nos Estados Unidos subiu de forma ligeira em dezembro, o que pode fazer com que a Reserva Federal mantenha as taxas de juros inalteradas, pelo menos, até ao final deste ano. O IPC aumentou 0,2% no mês passado, depois de ter crescido 0,3% em novembro de 2019, segundo o Departamento do Trabalho.

Em relação ao petróleo – cujos inventários semanais serão divulgados hoje às 21h40 –, a cotação do barril de Brent sobe 0,65%, para 64,62 dólares, enquanto a cotação do crude WTI avança 0,53%, para 58,39 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro deprecia 0,06% face ao dólar (1,1128), enquanto a libra “valoriza” 0,27% perante a divisa dos Estados Unidos (1,3022).

Ler mais

Recomendadas

Uma maçã contra o vírus e Wall Street agradece

Wall Street respirou ontem de alívio com o aumento da confiança na capacidade das autoridades chinesas poderem conter a propagação da epidemia do coronavírus.

IGCP emite 949 milhões de euros em operação de troca para alongar prazos da dívida até 2029

Na primeira operação de troca de dívida deste ano, a instituição presidida por Cristina Casalinho adiou em oito anos o reembolso de Obrigações do Tesouro que venciam em 2021.

BCP e papeleiras impulsionam PSI 20

Na bolsa portuguesa, catorze empresas cotadas valorizam, três desvalorizam e uma negoceia sem variação.
Comentários