Wall Street tenta estabilizar, mas conseguirá?

Os próximos dias serão importantes para perceber qual a consistência do sentimento.

Ao terceiro dia desta semana, quarta-feira 26 de fevereiro, os índices norte-americanos tentam não só aguentar o ganho de abertura, mas também estender a pressão compradora para uma valorização que reduz para metade o descalabro da sessão anterior.

Seja um mero apontamento de rebound técnico ou uma estabilização mais séria, por ora é demasiado cedo para se poder aferir para além de algumas indicações, uma vez que as consequências mais imediatas e visíveis da progressão da epidemia de coronavírus fora da China só agora começam a dar sinais, com o aumento dos casos na Europa e nas Américas, o que trará consigo alguma cautela nesses mercados a curto prazo.

Um sinal positivo é o facto do número de casos fora da China ter pela primeira vez ultrapassado os deste país asiático, o que se tivermos em conta que o progresso do contágio é como uma série de ondas, i.e. poderemos esperar que, não havendo um evento disruptivo num dos países afectados, o perigo possa vir a diminuir nas próximas semanas, até porque já existem vários relatos de potenciais vacinas e/ou tratamentos mais eficazes contra o vírus.

Em suma, os próximos dias serão importantes para perceber qual a consistência do sentimento e se, após dez anos de bull market, há ou não vontade de forçar o mercado a uma correcção real, o que não aconteceu na última década.

Para já, os sectores que mais valorizam são os que mais perderam ontem, terça-feira, nomeadamente tecnológicas, materiais e industriais, enquanto que os activos refúgio demonstram fraqueza relativa apesar de não estarem no vermelho, isto nas acções, porque no Forex o yen corrige -0,4% para os 110,59, ao passo que o ouro está praticamente inalterado nos $1,635 por onça.

O gráfico de hoje é do Nasdaq, o time-frame é semanal.

 

 

A existir uma correcção mais pronunciada no índice tecnológico, a zona dos 8.000 apresenta-se como um local de possível suporte extra.

Ler mais

Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários