WeWork relata perdas de dois mil milhões de dólares antes de entrada em bolsa

A empresa sentiu o impacto da pandemia de maneira particularmente forte, já que as regras de distanciamento social e confinamento aumentaram o número de pessoas que trabalham em casa. A WeWork, que é apoiada pela gigante de tecnologia japonesa SoftBank, disse que a sua receita do primeiro trimestre caiu quase para metade em relação ao ano anterior, 598 milhões de dólares (489,4 milhões de euros).

A startup de partilha de escritórios WeWork registou um prejuízo trimestral de 2,06 mil milhões de dólares (cerca de 1,68 mil milhões de euros) depois de ser duramente atingida pela pandemia de Covid-19. O anúncio acontece numa altura em que a WeWork prepara a sua estreia no mercado de ações, segundo a “BBC”.

A primeira tentativa de entrada em bolsa da empresa fracassou em 2019 devido a preocupações levantadas com o seu modelo de negócios e estilo de liderança do cofundador Adam Neumann. Desde a saída de Neumann, a empresa passou por uma reestruturação, com cortes significativos de postos de trabalho e vendas de empresas associadas.

A empresa sentiu o impacto da pandemia de maneira particularmente forte, já que as regras de distanciamento social e confinamento aumentaram o número de pessoas que trabalham em casa. A WeWork, que é apoiada pela gigante de tecnologia japonesa SoftBank, disse que a sua receita do primeiro trimestre caiu quase para metade em relação ao ano anterior, 598 milhões de dólares (489,4 milhões de euros).

A empresa disse que as pessoas já começam a regressar aos seus escritórios à medida que as restrições ao coronavírus são atenuadas. A taxa de ocupação relatada pela WeWork nos seus escritórios subiu para 50% no último trimestre, comparativamente aos 47% registados nos três meses anteriores. A empresa também disse que espera que a mudança nos hábitos de trabalho aumente a procura pelo tipo de escritórios de curto prazo que oferece.

Entrada em bolsa está iminente

Depois de concluir uma fusão com a BowX Acquisition, num negócio avaliado em 9 mil milhões de dólares (cerca de 7,6 mil milhões de euros), a WeWork começou a preparar a entrada em bolsa. A avaliação é significativamente inferior aos números divulgados em 2019, quando a WeWork foi avaliada em 47 mil milhões de dólares (cerca de 39,9 mil milhões de euros), antes da polémica que afastou os investidores devido ao modelo de negócios e ao estilo de gestão do seu fundador, Adam Neumann.

Há dois anos, os banqueiros do Goldman Sachs avaliaram a WeWork em 65 mil milhões de dólares (cerca de 55,1 mil milhões de euros), mas em vez disso caiu para 8 mil milhões de dólares (cerca de 6,7 mil milhões de euros) depois do Grupo SoftBank ter sido forçado a estender um “colete salva-vidas” de financiamento para recuperar a empresa de Adam Neumann.

A WeWork vai encaixar 1,3 mil milhões de dólares (cerca de 1,1 mil milhões de euros) em dinheiro com o último acordo, incluindo 800 milhões de dólares (cerca de 679 milhões de euros) em investimento privado da Insight Partners, fundos administrados pelo Starwood Capital Group, Fidelity Management entre outros.

Recomendadas

Porto: STCP alerta para perturbações na manhã de quinta-feira

A Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) informou esta terça-feira que os serviços vão sofrer perturbações na manhã de quinta-feira, entre as 8h30 e as 14h00, devido à realização de um Plenário Geral de Trabalhadores.

Laboratórios de análises clínicas faturaram 520 milhões de euros em 2020

“A estimativa para 2021 aponta para que a evolução positiva da faturação deste setor se mantenha, quer devido à continuação da testagem, quer porque a atividade normal destas clínicas deverá entrar em recuperação”, revela a Informa D&B.

G Train, o luxo de um “palácio em carris” avaliado em 294 milhões de euros

O G Train é por enquanto um conceito, mas inclui entre os seus luxos garagem, terraço, e a possibilidade de inclusão de uma piscina.
Comentários