Wynn Resorts aceita receber 37,2 milhões de euros de ex-presidente e seguradoras

Em causa está um acordo ligado ao escândalo sexual que envolve o magnata Steve Wynn.

A Wynn Resorts aceitou receber 41 milhões de dólares (37,2 milhões de euros) do ex-presidente Steve Wynn e de seguradoras como parte de um acordo ligado ao escândalo sexual que envolve o magnata.

A decisão foi tomada esta quarta-feira pela operadora que explora casinos nos Estados Unidos e em Macau e surge na sequência de processos em tribunal colocados por acionistas que acusam os diretores da empresa de não terem denunciado o suposto padrão de conduta sexual do magnata do jogo.

Nem a empresa nem os seus atuais ou ex-diretores ou executivos cometeram qualquer irregularidade em conexão com o acordo pendente que envolve vários fundos públicos de pensão, informou a empresa em comunicado.

O acordo está sujeito à aprovação de um juiz em Las Vegas, nos Estados Unidos.

Steve Wynn terá de desembolsar 20 milhões de dólares (18,1 milhões de euros) por danos, outros 21 milhões de dólares (19 milhões de euros) serão pagos pelas operadoras de seguros em nome dos atuais e ex-funcionários da Wynn Resorts, informou a empresa em comunicado.

Wynn, que se demitiu em fevereiro de 2018, negou todas as alegações de má conduta.

Múltiplos processos – integrados num único caso no Tribunal Distrital de Clark County em Las Vegas – foram movidos em 2018 em nome do fundo público de pensões de Nova Iorque e de funcionários municipais que investiram em ações da Wynn Resorts.

Estes alegam que alguns executivos e diretores sabiam que o fundador e presidente da empresa fizeram avanços sexuais sobre funcionárias e pressionaram-nas a praticar atos sexuais, mas não denunciaram o suposto padrão de conduta sexual inapropriado.

Além do fundo de aposentações do estado de Nova Iorque, o processo é também movido por um fundo de pensão de engenheiros na Pensilvânia e bombeiros municipais na Califórnia.

“Nós movemos a ação em resposta a acusações graves e repetidas de má conduta sexual por Steve Wynn e à suposta falha da direção anterior em a impedir”, disse o responsável pelo fundo de aposentações de 209 mil milhões de dólares (190 mil milhões de euros) do estado de Nova Iorque, referindo que o fundo detém ações da Wynn Resorts com um valor estimado de 23 milhões de dólares (21 milhões de euros).

“Estamos satisfeitos que as reformas neste acordo e as realizadas após o início de nosso processo protegerão os funcionários e os acionistas da Wynn Resorts contra danos futuros”, acrescentou.

O Wynn Resorts possui e opera o Wynn Las Vegas, o Encore Boston Harbor em Massachusetts, nos Estados Unidos, bem como o Wynn Macau e o Wynn Palace, ambos no ex-território administrado por Portugal, capital mundial dos casinos e único sítio na China onde o jogo é legal.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários