Yamaha aconselha clientes a não se esconderem nas suas caixas de instrumentos depois de fuga de Carlos Ghosn

Depois de notícias avançarem que o gestor poderá ter fugido do Japão escondendo-se numa caixa de instrumentos no aeroporto, a empresa japonesa aconselhou os seus clientes a não fazerem o mesmo.

Após notícias a indicarem que Carlos Ghosn, antigo presidente executivo  da Renault-Nissan, fugiu do Japão dentro de uma caixa de instrumentos da Yamaha, a empresa aconselha os seus clientes a não seguirem o exemplo.

A empresa japonesa publicou um aviso no Twitter onde desaconselha os seus clientes a tentarem algo semelhante, reforçando que as suas caixas destinam-se a armazenar instrumentos e não pessoas, segundo a Reuters.

A Yamaha Corporation escreveu no Twitter “Não vamos mencionar a razão, mas têm havido vários tweets sobre entrar dentro das nossas caixas. Um aviso depois de qualquer possível tragédia já é tarde e, portanto, pedimos a todos que não o façam”.

No início do mês, Carlos Ghosn fugiu à justiça japonesa através de métodos ainda por explicar. Segundo notícias, poderá ter utilizado uma caixa de instrumentos que seria demasiado grande para passar na máquina de raios-x. Depois de evitar o controlo de bagagens, terá entrado num avião privado no aeroporto de Kansai, Japão com destino ao Líbano, com escala na Turquia.

Relacionadas

Como Carlos Ghosn perdeu 45 milhões de euros em quase dois anos

Segundo estimativas do índice de milionários da Bloomberg, o ex CEO da Nissan viu a sua fortuna pessoal encolher de 120 milhões dólares (107 milhões de euros) para 70 milhões de dólares (62 milhões de euros) desde a sua primeira aparição em tribunal, em abril do ano passado.

Líbano proíbe Carlos Ghosn de abandonar o país

A justiça libanesa proibiu esta quinta-feira o magnata Carlos Ghosn de abandonar o Líbano, onde se refugiou após fugir do Japão e na sequência de uma ordem de prisão pedida pela Interpol, disse à AFP uma fonte judiciária de Beirute.

Carlos Ghosn assume que fugiu do Japão para limpar o seu nome. “As acusações contra mim são infundadas”

O ex-presidente da Nissan falou publicamente pela primeira vez desde a sua fuga às autoridades japonesas, que considera terem-no tratado “brutalmente”. O Ministério da Justiça japonês já disse que vai tentar encontrar uma maneira de trazer Carlos Ghosn de volta ao país, apesar do Japão não ter nenhum acordo de extradição com o Líbano.
Recomendadas

Costa avisa Comissão Executiva da TAP que plano de rotas “não tem credibilidade”

O primeiro-ministro afirmou hoje que a Comissão Executiva da TAP tem o dever legal de “gestão prudente” e “não tem credibilidade” um plano de rotas sem prévia informação sobre a estratégia de reabertura de fronteiras de Portugal.

Presidente do Novo Banco sobre ida ao Parlamento: “Será uma audição curiosa”

“Como nem os bónus foram pagos nem os aumentos [salariais da administração] existiram, será uma audição curiosa”, reagiu António Ramalho depois do Parlamento ter aprovado por unanimidade a sua audição.

Marcelo abre a porta a festivais com lugares marcados e distanciamento social. Avante fora das proibições

Festivais de verão podem-se realizar desde que “haja lugares marcados e a lotação e o distanciamento físico sejam respeitados”, segundo o Presidente da República.
Comentários