Yamaha aconselha clientes a não se esconderem nas suas caixas de instrumentos depois de fuga de Carlos Ghosn

Depois de notícias avançarem que o gestor poderá ter fugido do Japão escondendo-se numa caixa de instrumentos no aeroporto, a empresa japonesa aconselhou os seus clientes a não fazerem o mesmo.

Após notícias a indicarem que Carlos Ghosn, antigo presidente executivo  da Renault-Nissan, fugiu do Japão dentro de uma caixa de instrumentos da Yamaha, a empresa aconselha os seus clientes a não seguirem o exemplo.

A empresa japonesa publicou um aviso no Twitter onde desaconselha os seus clientes a tentarem algo semelhante, reforçando que as suas caixas destinam-se a armazenar instrumentos e não pessoas, segundo a Reuters.

A Yamaha Corporation escreveu no Twitter “Não vamos mencionar a razão, mas têm havido vários tweets sobre entrar dentro das nossas caixas. Um aviso depois de qualquer possível tragédia já é tarde e, portanto, pedimos a todos que não o façam”.

No início do mês, Carlos Ghosn fugiu à justiça japonesa através de métodos ainda por explicar. Segundo notícias, poderá ter utilizado uma caixa de instrumentos que seria demasiado grande para passar na máquina de raios-x. Depois de evitar o controlo de bagagens, terá entrado num avião privado no aeroporto de Kansai, Japão com destino ao Líbano, com escala na Turquia.

Relacionadas

Como Carlos Ghosn perdeu 45 milhões de euros em quase dois anos

Segundo estimativas do índice de milionários da Bloomberg, o ex CEO da Nissan viu a sua fortuna pessoal encolher de 120 milhões dólares (107 milhões de euros) para 70 milhões de dólares (62 milhões de euros) desde a sua primeira aparição em tribunal, em abril do ano passado.

Líbano proíbe Carlos Ghosn de abandonar o país

A justiça libanesa proibiu esta quinta-feira o magnata Carlos Ghosn de abandonar o Líbano, onde se refugiou após fugir do Japão e na sequência de uma ordem de prisão pedida pela Interpol, disse à AFP uma fonte judiciária de Beirute.

Carlos Ghosn assume que fugiu do Japão para limpar o seu nome. “As acusações contra mim são infundadas”

O ex-presidente da Nissan falou publicamente pela primeira vez desde a sua fuga às autoridades japonesas, que considera terem-no tratado “brutalmente”. O Ministério da Justiça japonês já disse que vai tentar encontrar uma maneira de trazer Carlos Ghosn de volta ao país, apesar do Japão não ter nenhum acordo de extradição com o Líbano.
Recomendadas

EuroBic financiou empresa do marido de Isabel dos Santos em nove milhões de euros

O dinheiro serviu para financiar a atividade da empresa de Sindika Dokolo em França como distribuidora de jóias de luxo da empresa de diamantes De Grisogno, avança o Correio da Manhã.

Novo Banco pede falência de empresa de Moniz da Maia por dívida de 375 milhões de euros

No pedido de insolvência da empresa, o banco invoca dívidas no total de 16,5 milhões de euros respetivos a um crédito concedido diretamente à empresa de Bernardo Moniz da Maia em 2009 e 358,3 milhões de euros relativos a um contrato de financiamento celebrados entre o BES e a Sogema Investments Limited, segundo o JN.

Angola pede a PGR para notificar Isabel dos Santos antes de mandado de captura

PGR de Angola enviou um pedido de cooperação judiciária a Portugal para notificar a empresária angolana e outros três arguidos portugueses da condição de arguidos no processo crime aberto por suspeitas de desvio de fundos, branqueamento, falsificação de documentos e abuso de poder.
Comentários