PremiumZagope coloca ‘Lava Jato’ para trás e quer “voltar com força máxima ao mercado português”

Ricardo Sá assegura que a construtora não recorreu ao ‘lay-off’ devido à Covid.

Questionado pelo Jornal Económico quanto ao impacto do processo judicial ‘Lava Jato’ no Brasil na atividade da Zagope, visado por acusações de corrupção, Ricardo Sá desvaloriza, assegurando que “a questão da ‘Lava Jato’ é uma página mais do que virada no grupo Andrade Gutièrrez, que após a assinatura do acordo de leniência[uma espécie de acordo de clemência que permite aos infratores colaborarem na investigação visando a redução da pena], em 2016, tornou-se referência tanto no seu modelo de governança e compliance quanto em certificações de reconhecimento internacional dentro do sector da construção”.

“O reconhecimento do mercado foi imediato, tendo a empresa rapidamente recuperado a sua presença junto a importantes clientes, o que é demonstrado pela sólida carteira atual de projetos de todo o grupo. Saliento também que a Zagope foi uma das primeiras construtoras deste lado do Atlântico e a primeira em Portugal a ter a certificação ISO 37.001, que diz respeito ao sistema de compliance e gestão anti-suborno”, defende o CEO da Zagope.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Mota-Engil entre os interessados na gestão do corredor do Lobito

Os representantes das empresas visitaram as Oficinas gerais do Caminho de Ferro de Benguela e o local onde vai ser instalado o Terminal de Trânsito de Mercadorias, no Compão, iniciando uma série de visitas técnicas para constatar o estado atual e operacionalidade das infraestruturas.

PremiumNovo CEO da Teixeira Duarte tem rentabilidade e dívida como principais desafios

Manuel Maria Teixeira Duarte será hoje eleito como novo presidenteda Teixeira Duarte. Grupo pressionado pelos maus resultados durante a pandemia. “Foco tem de ser a escolha das obras estratégicas” e “redução da dívida”, diz acionista.

Elevo responsabiliza pandemia e Estado de Moçambique por salários em atraso

O grupo português faz referência a “dificuldades” que incluem “alguns salários em atraso e que são explicadas sobretudo pelo impacto da covid-19 e pelo facto de um dos seus principais clientes, o Estado moçambicano, não estar a honrar os seus compromissos financeiros”.
Comentários