Zero alerta para consumo de eletricidade e expressa preocupação com “eficiência energética”

Segundo a associação ambientalista, em Portugal, a forma mais escolhida para se aquecer a casa passa por recorrer à climatização ativa através de aquecedores locais como irradiadores a óleo ou termoventiladores. No entanto, estes são “sistemas ineficientes, traduzindo-se num custo significativo para os utilizadores em termos de utilização, ao mesmo tempo que proporcionam um reduzido conforto térmico, pois acabam por ser utilizados o menos possível de forma a evitar um aumento dramático da fatura de eletricidade”.

O frio que se faz sentir em Portugal leva a que a população tenha de utilizar mais o aquecedor e com maior frequência, o que poderá levar a um, natural, consumo mais elevado de eletricidade. Nesse sentido, a associação ambientalista Zero sublinha este domingo a necessidade de “combate à pobreza energética e de renovação de edifícios”.

De acordo com dados relativos a 2019 do Eurostat, Portugal é dos países da União Europeia (UE) em que mais pessoas, quase dois milhões no total, não têm capacidade para aquecer as suas casas (18,9% da população em Portugal por comparação com uma média de 6,9% na UE-27).

Segundo a Zero, em Portugal, a forma mais escolhida para se aquecer a casa passa por recorrer à climatização ativa através de aquecedores locais como irradiadores a óleo ou termoventiladores. No entanto, a associação considera que são “sistemas ineficientes, traduzindo-se num custo significativo para os utilizadores em termos de utilização, ao mesmo tempo que proporcionam um reduzido conforto térmico, pois acabam por ser utilizados o menos possível de forma a evitar um aumento dramático da fatura de eletricidade”.

O custo com eletricidade de um único aquecedor a óleo pode ser superior a oito euros por dia. O que se paga em eletricidade durante uma semana de um aquecedor a óleo ligado é superior ao seu custo. A Zero lembra que os irradiadores elétricos a óleo e os termoventiladores foram “vergonhosamente” isentos das regras de rotulagem energética presentes no Regulamento 2015/1188 de Comissão Europeia, relativo aos requisitos de conceção ecológica para os aquecedores de ambiente local, que entrou em vigor há dois anos.

A associação deixa alguns apelos ao Governo, para que seja conhecida a “estratégia para a reabilitação de edifícios públicos e privados, que em nosso entender é a medida verdadeiramente estruturante e de longo prazo necessária implementar e cujo avanço deve ter lugar em breve”. “O valor anunciado de 620 milhões é muito significativo, mas poderá relevar-se mesmo assim insuficiente, podendo em conjunto com outras iniciativas ser devidamente alavancado para dar uma resposta mais abrangente às necessidades de remodelação do edificado”, explica.

“A estratégia de combate à pobreza energética é um elemento essencial para lidar com a incapacidade de muitas famílias para conseguirem garantir conforto térmico nas suas casas. A Zero concorda que, em muitos casos, a comparticipação direta do Estado a 100% através de financiamento direto de obras é essencial”, acrescentam os ambientalistas, num relatório enviado aos meios de comunicação social.

Ler mais
Recomendadas

Seca meteorológica terminou em dezembro em Portugal continental

Segundo o relatório anterior, no final de novembro, 62,3% do território estava em situação de chuva fraca, 33,6% em normal e 4,1% em seca fraca.

Matos Fernandes vai inaugurar mais uma ETAR, em Soure

O ministro João Pedro Matos Fernandes vai também inaugurar o Centro Ecológico do município de Soure.

Arábia Saudita anuncia criação de cidade ecológica sem carros

Uma região futurista e turística, NEOM, está na lista dos muitos megaprojetos em curso para diversificar a economia da Arábia Saudita, que depende fortemente da exportação do petróleo.
Comentários