Zomato lança serviço de entregas em parceria com os CTT

A parceria quer ainda completar a experiência do utilizador “a 100%”, juntando a opção de ‘delivery’ às funcionalidades já oferecidas, tendo os utilizadores de realizar o download de uma nova aplicação para estes pedidos e também para o ‘takeaway’.

A Zomato lançou esta quarta-feira um novo serviço de entregas em parceria com os CTT, numa revelação de que “durante estes anos, todos os nossos foodies mais quiseram ler”, dado que estão englobados mais de 300 espaços no centro de Lisboa e do Porto. Esta nova plataforma, disponível já a partir desta quarta-feira, visa ser uma solução no serviço de entregas da Zomato até ao fim do mês, prevendo-se ainda a expansão para novas localizações a médio e longo prazo.

Esta parceria tem ainda como objetivo reforçar “a sua presença e apoio à restauração, oferecendo as condições mais competitivas do mercado com taxas 50% abaixo das praticadas habitualmente num novo serviço de entregas ao domicílio seguro e eficiente para os consumidores e acessível aos restaurantes”, lê-se no comunicado da empresa.

“Desde o primeiro momento da pandemia, a Zomato criou soluções tecnológicas para ajudar os restaurantes de forma a manter a segurança dos seus clientes (contactless dinning, takeaway, reservas, pedidos e pagamentos pela app) e celebrou parcerias estratégicas com diversas entidades para apoiar a restauração de forma mais eficaz”, nota Nuno Fernandes, head of growth da Zomato.

“Este passo é o resultado de um intenso ano de trabalho, esforço e reinvenção que é finalmente possível graças aos nossos parceiros CTT. Estamos extremamente orgulhosos e felizes por fazer parte desta parceira inovadora que visa proteger os restaurantes, de forma justa, trazendo também uma maior comodidade e um serviço de excelência aos utilizadores, e criando no fundo um novo standard para esta tipologia de serviço”, sustenta.

A parceria quer ainda completar a experiência do utilizador “a 100%”, juntando a opção de delivery às funcionalidades já oferecidas, tendo os utilizadores de realizar o download de uma nova aplicação para estes pedidos e também para o takeaway. Nesta plataforma vai ser possível ver informações sobre restaurantes, consultar menus, efetuar reservas, realizar pagamentos de refeições, encomendar o takeaway e usufruir de descontos Zomato Pro.

“Esta parceria é uma prova da enorme capacidade de adaptação das empresas e instituições às atuais condições de mercado e dos tempos pandémicos que vivemos. Os CTT levam muito a sério a sua missão de apoio ao funcionamento da economia e estamos muito orgulhosos desta associação à Zomato”, adianta João Sousa, administrador executivo dos CTT. “Reforçamos assim o nosso posicionamento de proximidade às empresas e populações locais, disponibilizando mais uma oferta que se pretende cada vez mais abrangente, assumindo-nos como os parceiros ideais para as pessoas e empresas, sempre com entrega total”.

Os CTT são os responsáveis pelo processo de distribuição das refeições através de uma operação dedicada a esta projeto-piloto, com uma rede de estafetas estabelecida para este efeito próprio.

Recomendadas

Greve nos CTT tem “motivação exclusivamente política”, diz CEO

Criada em 1988 por profissionais da rede de atendimento dos CTT, a ANCEC tem como associados 220 gestores de estações de correios, que diz coordenarem uma atividade que envolve mais de 600 pessoas a nível nacional (continente e ilhas).

Segundo maior acionista sai da Jerónimo Martins

Segundo maior acionista da dona do Pingo Doce vendeu a sua participação de 5%. A Jerónimo Martins reportou que recebeu da Goldman Sachs International o anúncio de lançamento de um ‘accelerated bookbuilt offering’, dirigido a investidores institucionais.

“Crise nas cadeias de logística tem tido particular impacto em alguns sectores estratégicos”

As vendas de bens e serviços ao exterior têm funcionado como um motor da economia portuguesa, num ciclo positivo que só foi interrompido pela pandemia. Ao Jornal Económico, o secretário de Estado Adjunto e da Economia, João Neves, diz que as empresas são resilientes e que as exportações já estão a recuperar, mesmo com o impacto da crise energética e com os constrangimentos nas cadeias de abastecimento, que afetam sectores estratégicos.
Comentários