Cabo Verde excluído da “lista negra” europeia de paraísos fiscais

O país africano deixou esta terça-feira de fazer parte da lista de jurisdições fiscais não cooperantes deste ano por ter implementado as reformas necessárias antes do prazo acordado.

O Conselho da União Europeia (UE) atualizou esta terça-feira a “lista negra” de paraísos fiscais não respeitadores das regras comunitárias, da qual Cabo Verde deixa de fazer parte, este ano, por ter implementado as reformas necessárias antes do prazo acordado.

A informação consta de uma nota do Conselho da UE, segundo a qual, além de Cabo Verde, foram retiradas da lista mais 15 jurisdições por terem conseguido “implementar todas as reformas necessárias para cumprir os princípios da UE em matéria de boa governação fiscal antes do prazo acordado”.

Entre os territórios excluídos este ano da “lista negra”, documento constantemente atualizado, constam Antígua e Barbuda, Arménia, Baamas, Barbados, Belize, Bermudas, Ilhas Virgens Britânicas, Cabo Verde, Ilhas Cook, Curaçau, Ilhas Marshall, Montenegro, Nauru, Niue, São Cristóvão e Neves e Vietname.

Também em comunicado, o comissário europeu com a pasta da Economia, Paolo Gentiloni, observa que “a lista da UE de jurisdições fiscais não cooperantes contribui para melhorias reais na transparência fiscal a nível mundial”.

“Até à data, examinámos sistemas fiscais de 95 países, a maioria dos quais está agora em conformidade com as nossas normas de boa governação. Este processo levou à eliminação de mais de 120 regimes fiscais prejudiciais em todo o mundo e dezenas de países começaram a aplicar normas de transparência fiscal”, aponta Paolo Gentiloni.

Por outro lado, informa esta estrutura em comunicado, que além das oito jurisdições que já estavam incluídas na sua lista de jurisdições fiscais não cooperantes, a UE decidiu também incluir as seguintes jurisdições: Ilhas Caimão, Palau, Panamá e Seicheles.

Segundo a mesma fonte, estes quatro países juntam-se, assim, aos oito territórios que já constavam da lista e continuam em situação de incumprimento, isto é, Samoa Americana, Fiji, Guame, Samoa, Omã, Trindade e Tobago, Vanuatu e Ilhas Virgens Americanas.

O Conselho da UE explica que estes quatro países adicionados à lista “não aplicaram as reformas fiscais a que se tinham comprometido no prazo acordado”, até final do ano passado. Em causa estão falhas na transposição para o direito nacional das regras pedidas por Bruxelas, em áreas como a transparência fiscal, tributação justa e atividade económica real.

Ler mais
Recomendadas

Presidente de Cabo Verde declara Estado de Emergência pela primeira vez no país

Jorge Carlos Fonseca justificou a medida como o objetivo de defender interesses e valores fundamentais do país e da comunidade e para dar meios legítimos às autoridades para um combate mais eficaz à pandemia.

Parlamento de Cabo Verde aprova declaração do Estado de Emergência

“É o período solicitado de 20 dias, face à situação de risco de calamidade decretada pelo Governo, no sentido de aumentar e reforçar o quadro nacional para a prevenção da propagação do novo coronavírus ao nível das nossas ilhas”, justificou o presidente da Assembleia Nacional cabo-verdiana.

Angola anuncia medidas para minimizar recessão em 2020 e prepara revisão orçamental

A ministra das Finanças de Angola, Vera Daves de Sousa, anunciou hoje a revisão do cenário macroeconómico, baixando em 20 dólares a cotação do petróleo utilizada no documento orçamental de 2020. Avançou igualmente com a utilização de 1,5 mil milhões de dólares do fundo soberano e diversas medidas de cortes, totalizando 5,1mil milhões de dólares. Tudo isto para travar a amplitude da recessão prevista para este ano.
Comentários