Empresa chinesa na corrida para comprar a Brisa

A China State Construction Engineering Corp. estará interessada em entrar no capital da empresa portuguesa de gestão de auto-estradas, avança a agência Bloomberg. Na corrida também estão empresas espanholas, de Singapura e do Japão.

Uma empresa chinesa está interessada na Brisa, avança hoje a agência Bloomberg. A China State Construction Engineering Corp. poderá entrar no capital da empresa portuguesa de gestão auto-estradas, no que se pode tornar “num dos maiores negócios europeus de infraestruturas este ano”, escreve a Bloomberg.

A China State Construction Engineering formou um consórcio com o fundo de investimento chinês CNIC Corp. (empresa que chegou a deter 5% da EDP, mas que já vendeu a sua posição) e com o Fundo Chinês de Desenvolvimento de Cooperação com Países Lusófonos, e mais investidores poderão subir a bordo do consórcio, segundo a Bloomberg.

Além da empresa chinesa, existem duas empresas espanholas: Global Via Infraestructuras SA, e a Abertis Infraestructuras SA, em conjunto com o fundo de saúde de Singapura GIC Pte.

Também a japonesa Marubeni Corp. está na corrida, aponta a Bloomberg. Em Portugal, controla 22,5% da Galp Gás Natural Distribuição, em parceria com a também nipónica Toho Gas. A entrada teve lugar em 2016 por 138 milhões de euros.

A Marubeni também detém 50% da Trustenergy, em parcercia com a francesa Engie (também 50%). A Trustenergy é acionista, em conjunto com a Endesa, das centrais a gás natural do Pego e a Turboenergia, e também a central a carvão do Pego.

Segundo a Bloomberg, os fundos de infraestruturas Ardian SAS e o Macquarie Group Ltd., também já fizeram ofertas iniciais pela Brisa.

A Brisa é detida em 80% pela Arcus Infrastructure Partners e pelo grupo José de Mello. Esta posição pode valer um total de três mil milhões de euros, segundo fontes consultadas pela Bloomberg.

A Brisa opera 1.629 quilómetros de estradas em Portugal, incluindo 17 autoestradas.

Ler mais
Relacionadas

Brisa Concessão Rodoviária lucra 204,5 milhões de euros em 2019

Em 2019 a Brisa Concessão Rodoviária lucrou mais 37,7 milhões que no ano anterior. Os resultados líquidos da Brisa aumentaram 22,6% no ano passado, face aos lucros obtidos em 2018, informou a empresa em comunicado à CMVM.

Tráfego de carros na rede da Brisa cresceu 3,7% em 2019

O tráfego foi negativamente influenciado pelo efeito de calendário, pela greve dos motoristas de veículos pesados em agosto, e pelas condições meteorológicas desfavoráveis no quarto trimestre de 2019.

Ardian e Macquarie fizeram uma oferta de cerca 3 mil milhões pela Brisa

A Bloomberg escreve hoje que a Arian SAS e o Macquarie Group Ltd. estão entre os interessados que fizeram ofertas iniciais para a Brisa, no que pode se tornar um dos maiores negócios de infraestrutura na Europa este ano. A Arcus e Jose de Mello devem, nos próximos dias, escolher uma lista de candidatos que serão convidados a fazer ofertas vinculativas.

Propostas espanholas para a compra da Brisa deverão passar à próxima fase do processo

Trata-se das propostas da Globalvia, da Abertis e da Roadis. Segundo a ‘Mergermarket’, a José de Mello e a Arcus poderão selecionar cinco propostas para a compra de 80% da Brisa na próxima semana.
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários