Reino Unido vai impedir entrada de trabalhadores sem qualificação

Uma das razões para o êxito do Brexit foi precisamente a vontade dos britânicos impedirem o livre acesso ao seu mercado de trabalho. Londres vai impor novas regras.

DR Jessica Taylor/Handout Reuters

A Grã-Bretanha está a preparar-se para fechar as portas das suas fronteiras à mão-de-obra estrangeira pouco qualificada e exigirá que todos os trabalhadores qualificados que desejam trabalhar no país tenham uma oferta de emprego em mãos e sejam fluentes na língua inglesa.

Neste momento, os cidadãos da União Europeia podem mover livremente entre os Estados membros, mas uma das razões do Brexit foi porecisamente estancar estes movimentos.”O nosso novo sistema de imigração fechará a torneira à mão-de-obra estrangeira barata e pouco qualificada”, escreveu o ministro do Interior, Priti Patel no jornal ‘The Sun’ este domingo.

“A partir do próximo ano, todos os trabalhadores qualificados precisarão de ganhar pontos suficientes para trabalharem no Reino Unido. Eles precisarão de falar inglês, ter uma oferta de emprego firme e atender a alguns requisitos salariais”.

A oposição argumentou que restrições à imigração poderiam prejudicar os serviços públicos, desde logo o Serviço Nacional de Saúde, que em certas áreas depende de cidadãos da União que ali trabalham como enfermeiros e médicos. O governo disse que concederia pontos adicionais àqueles que trabalham em setores onde há escassez de habilidades.

Londres e Bruxelas passarão este ano negociando os termos de um acordo pós-Brexit que entrará em vigor em 1º de janeiro com as linhas de batalha já elaboradas sobre o quanto a Grã-Bretanha divergirá das regras e regulamentos da UE.

Recomendadas

Quando um vírus serve para tentar legitimar as democracias musculadas

Populações são condescendentes com limitações no contexto de estado de emergência, mas há governos que tendem a exagerar as intrusões e a eternizar as medidas de exceção. Os suspeitos são os do costume.

Reino Unido poderá demorar mais de seis meses a regressar à normalidade

A previsão foi avançada durante o encontro virtual com os meios de comunicação, realizado diariamente a partir de Downing Street, – residência oficial do primeiro-ministro, Boris Johnson – que hoje contou também com o ministro britânico da Habitação, Robert Jenrick.

Alemanha. Ministro das finanças do estado de Hasse encontrado morto em linha do comboio

Thomas Schäfer tinha 54 anos e tinha aparecido recentemente em diversos eventos públicos para alertar para o risco do contágio da Covid-19. Era membro da CDU, o partido de centro-direita da chanceler Angela Merkel.
Comentários