Vai comprar um carro a diesel? Já há 15 cidades que os baniram

A pensar nas diretivas do Acordo de Paris, várias cidades europeias já anunciaram restrições à circulação de veículos a diesel e, a partir de 2025, prevê-se que a proibição se estenda aos restantes modelos de automóveis.

Gleb Garanich/REUTERS

As diretivas do Acordo de Paris obrigam a que sejam reduzidas as emissões de CO2 para garantir que a temperatura não sobe mais de 1,5 graus Celsius em relação aos níveis pré-industriais. A pensar nisso, várias cidades europeias já anunciaram restrições à circulação de veículos a diesel e, a partir de 2025, prevê-se que a proibição se estenda aos restantes modelos de automóveis.

Até 2025, as restrições a serem aplicadas dizem respeito a veículos a gasóleo ou gasolina mais antigos e mais poluentes. Este tipo de proibição já existe em Lisboa, por exemplo, onde, desde janeiro de 2015, os carros com matrículas anteriores a 2000 passaram a estar proibidos de circular, entre as 7h e as 21h dos dias úteis, no eixo da Avenida da Liberdade à Baixa. Também os carros com matrículas anteriores a 1996 ficaram impedidos de circular na Avenida de Ceuta, Eixo Norte-Sul, Avenidas das Forças Armadas, dos Estados Unidos, Marechal António Spínola, do Santo Condestável e Infante D. Henrique.

No entanto, várias cidades decidiram ir mais além e, em vez de restringirem a circulação a apenas alguns veículos querem impedir por completo a circulação de todos os modelos de automóveis. Entre as cidades que aderiram a esta medida estão: Paris (França), Bruxelas (Bélgica), Londres e Oxford (Reino Unido), Madrid (Espanha), Atenas (Grécia), Roma, Milão e Turim (Itália), Berlim, Hamburgo, Estugarda e Munique (Alemanha), Oslo (Noruega) e Copenhaga (Dinamarca).

Recomendadas

DECO junta-se ao REFIL para incentivar reutilização de embalagens

Apesar de já se encontrar previsto o comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis e de produtos a granel, os consumidores ainda não beneficiam de um mercado que lhes permita adquirir, nestes moldes, produtos de limpeza e higiene pessoal, forçando-os a optar por novas embalagens e aumentando, assim, a sua produção de resíduos, colocando em causa as metas portuguesas da sustentabilidade.

Fim da isenção de ISV para ligeiros de mercadorias recebida com desagrado pela ACAP

A Associação Automóvel de Portugal recebeu com desagrado o fim da isenção do Imposto sobre Veículos de mercadorias a partir de julho, medida que aumentará os custos em cerca de 3 mil euros, apenas em ISV.

Portugal com 6.º preço de gasolina mais caro da UE no primeiro trimestre

A carga fiscal aplicada em Portugal (63%) justificou integralmente a menor competitividade dos preços, tendo praticado um valor superior à média registada na UE (60%), em Espanha (55%), na Alemanha (61%) e na Bélgica (62%).
Comentários