Telcos
JE Leitor

João Cadete de Matos faz um ano como presidente do regulador do sector das comunicações e recolhe a unanimidade de críticas dos operadores, que questionam a forma e os conteúdos das decisões.

A Pharol convocou os seus acionistas para uma assembleia geral a 7 de Setembro com o objetivo de aprovar um aumento de capital para poder acompanhar a segunda fase de recapitalização da operadora brasileira Oi.

Considerando o acumulado do primeiro semestre de 2018, a operadora de telecomunicações registou um resultado líquido positivo de 29.293 milhões de reais (6.623 milhões de euros), após um prejuízo de 4.350 milhões de reais (983,6 milhões de euros) no semestre homólogo.

A Anacom propõe que, daquele valor, sejam entregues ao Estado 33,6 milhões de euros para serem utilizados no desenvolvimento das comunicações em Portugal, em benefício dos utilizadores finais", explicou, em comunicado.

A Oi vai apresentar recurso, segundo um comunicado remetido pela acionista Pharol à CMVM esta quarta-feira.

A operadora de telecomunicações liderada por Miguel Almeida teve um lucro de 78,9 milhões de euros no primeiro semestre do ano, o que representa um crescimento de 9,2% face ao mesmo período de 2017.

No segundo trimestre as receitas cresceram para 389 milhões de euros, com os proveitos das telecomunicações a crescer 1,8% para 374,2 milhões de euros, impulsionados pelo aumento da base de clientes da NOS neste período.

Altice entra com processo judicial milionário por 136 mil alegados casos de “portabilidade indevida”, de clientes do MEO que passaram para a NOS.