100 jovens distinguidos com prémio Infante D. Henrique

O prémio visa dar relevo à importância do desenvolvimento de competências como a persistência, compromisso, responsabilidade e o desenvolvimento pessoal e social dos participantes neste programa.

100 jovens vão ser distinguidos com o prémio Infante D. Henrique, nas categorias de ouro, prata e bronze. Este prémio é a versão portuguesa do ‘The Duke of Edingurgh’s International Award’ que visa o desenvolvimento pessoal e social de actividades voluntárias e não competitivas.

Entre os distinguidos estão jovens da escolas da APEL, Câmara Municipal do Funchal, Criamar, Colégio Infante D. Henrique, Escola Secundária Francisco Franco e Escola Superior de Enfermagem.

O objectivo deste galardão passar por dar relevo à importância do desenvolvimento de competências como a “persistência, compromisso, iniciativa, responsabilidade e desenvolvimento pessoal e social” características que são trabalhadas durante a execução do programa referente ao Prémio Infante D. Henrique.

“Para um jovem estar bem preparado para a vida, não basta dar-lhe uma ótima educação académica. É essencial dar-lhe as capacidades, comportamentos e atitudes de que precisam para serem adultos de sucesso, e a única forma de isso ser feito é prolongar a aprendizagem para além da sala de aula e dentro da comunidade”, sublinhou John May, secretário geral do The Duke of Edinburgh’s International Award Foundation, durante a edição passada do prémio Infante D. Henrique, que se realizou na Madeira.

Na entrega das distinções, que se realiza nos Paços do Concelho, da Câmara Municipal do Funchal, vai estar presente Dom Duarte, Duque de Bragança.

Recomendadas

Atenção às excursões. O barato pode sair caro, alerta Deco

Se comprou um produto e vem a arrepender-se, tratando-se de um contrato celebrado fora do estabelecimento comercial – o consumidor tem direito a resolver o contrato nos 14 dias subsequentes (a contar do dia em que o consumidor recebe esse produto).

O que fazer quando um crédito “desaparece” da Central de Responsabilidades

No caso de o crédito “desaparecer” da CRC não significa que a dívida deixou de existir, sendo que o consumidor mantém a sua responsabilidade perante a obrigação. Esta situação poderá ocorrer aquando da cessão de crédito (venda da dívida a terceiros), a favor de uma entidade fora do sistema financeiro, pelo que esta passa a assumir a posição de credor.

PSD quer zona franca e registo de navios incluídos em estratégia atlântica

O deputado do PSD, Paulo Neves, afirmou que o Centro Internacional de Negócios (CINM) e o Registo de Navios (MAR) são de enorme importância para o país, e por isso deveriam ser prioritários para o Governo da República.
Comentários