1º Maio. Mais de mil pessoas protestam em Lisboa pelos direitos dos trabalhadores

A concentração começou no Largo dos Anjos, onde chegaram vários autocarros de diferentes zonas do país, com pessoas para participar no protesto do Dia do Trabalhador.

Comemorações do 1º de Maio, Dia Mundial do Trabalhador, na Alameda D. Afonso Henriques, Lisboa, no dia 1 de maio de 2020 | Foto de António Cotrim/Lusa

Mais de mil pessoas desfilaram hoje, a partir das 15:20, entre a avenida Almirante Reis e a Alameda, em Lisboa, no âmbito das celebrações do 1º de maio, organizadas pela CGTP para “lutar pelos direitos e combater a exploração”.

A concentração começou no Largo dos Anjos, onde chegaram vários autocarros de diferentes zonas do país, com pessoas para participar no protesto do Dia do Trabalhador.

Os manifestantes cumpriram a obrigação do uso de máscara para proteção da covid-19, mas a regra do distanciamento foi difícil de cumprir.

Entre as palavras de ordem ouviu-se “o trabalho é um direito, sem ele nada feito” e “tele-exploração enche os bolsos ao patrão”.

Além das palavras de ordem ouvidas, os manifestantes ergueram vários cartazes com frases como “Não aos despedimentos, não somos descartáveis”.

Alguns dos manifestantes, muitos deles jovens, usaram cravos vermelhos numa alusão ao 24 de abril de 1974 e alguns apresentaram-se como representantes de classes de profissionais, nomeadamente da saúde e da polícia.

Estes manifestantes vão ainda juntar-se na Alameda a outros grupos, vindos do Campo Grande, também no âmbito das celebrações do Dia do Trabalhador.

A CGTP não adianta ainda números sobre a participação, mas a Lusa constatou no local que são mais de mil.

As duas centrais sindicais comemoram pela segunda vez o 1.º de Maio em pandemia, a CGTP na rua, como é habitual, mas com menos gente, e a UGT em confinamento, com uma conferência sobre os desafios da negociação coletiva.

A Intersindical vai assinalar o Dia do Trabalhador deste ano com concentrações, desfiles e manifestações em todos os distritos e regiões autónomas, com os devidos cuidados para evitar a propagação da covid-19, mas sem deixar de tornar esta data numa jornada de luta.

A manifestação na avenida dos Aliados, no Porto, e a da Alameda Afonso Henriques, em Lisboa, são normalmente o ponto alto das comemorações e este ano voltarão a sê-lo, embora com muito menos participantes, para garantir o distanciamento social imposto pelas regras de combate à pandemia da covid-19.

“O 1.º de Maio terá uma componente de comemoração, mas será também uma grande jornada de luta, de reafirmação das reivindicações dos trabalhadores”, disse à agência Lusa a secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha.

As comemorações do Dia do Trabalhador da CGTP vão decorrer sob o lema “Lutar pelos direitos, combater a exploração” e vão reafirmar a defesa do emprego, do crescimento dos salários, do horário semanal de 35 horas e da melhoria dos serviços públicos.

Recomendadas

Nações Unidas homenageiam Jorge Sampaio esta segunda-feira

A cerimónia, organizada pela Aliança das Civilizações, de que Sampaio foi o primeiro alto representante, e pela missão portuguesa na ONU, é “assumida por todos os países das Nações Unidas pela relevância das funções” que Jorge Sampaio exerceu na organização e pelos resultados do seu trabalho no âmbito das Nações Unidas”, disse à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em declarações por telefone desde Nova Iorque.

Marcelo Rebelo de Sousa condecora João Salgueiro, antigo ministro das Finanças

“É das personalidades mais brilhantes e fascinantes que eu pude conhecer na vida, com uma capacidade de prospetiva que nem sempre é muito portuguesa”, disse o Presidente da República no encerramento do 5.º Congresso da Sedes, entidade fundada e presidida por João Salgueiro.

ASAE fecha três estabelecimentos e multa 33 por incumprimento de regras

Na operação, denominada “Outbreak”, realizada na última noite em colaboração com a GNR e a PSP, foram fiscalizados 82 estabelecimentos de 13 localidades: Porto, Braga, Chaves, Coimbra, Viseu, Covilhã, Lisboa, Cascais, Estoril, Santarém, Almeirim, Évora e Faro.
Comentários