34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Esta quinta-feira marcou o regresso aos mercados da icónica marca de jeans norte-americana Levi Strauss e, 34 anos depois de ter abandonado Wall Street, o reaparecimento ante os investidores não podia ser mais positivo: títulos estão a valorizar 31%.

As ações do conhecido fabricante de jeans regressaram à Bolsa de Nova Iorque com uma valorização de 30,7% para os 22 dólares por ação.

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Os títulos negociaram sob a sigla ‘LEVI’ e a empresa planeta estabelecer um sistema dual de ações, sendo que as de classe A irão comportar um voto cada e as de classe B terão 10 votos cada, pelo que estas segundas estarão maioritariamente nas mãos da família Strauss.

Com esta movimentação de mercado, a Levi Strauss conseguiu arrecadar 623 milhões de dólares (548,25 milhões de euros à taxa de câmbio atual) que elevam a valorização total da empresa para 6.600 mil milhões de dólares (5.796,8 mil milhões de euros)

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

Levi’s: Companhia das clássicas calças de ganga quer voltar à bolsa

A empresa norte-americana espera angariar cerca de 587 milhões de dólares através de uma oferta pública inicial (IPO), aumentando o seu valor até 6,17 mil milhões de euros.
Recomendadas

Sindicatos chegam a acordo com Transtejo e Soflusa e equacionam levantar greve

Os sindicatos dos trabalhadores da Transtejo e Soflusa aceitaram esta segunda-feira um aumento de 28 euros para todas as categorias.

Reformados do BCP exigem aumentos das pensões

A moção com esta exigência foi aprovada em reunião em 18 de julho, referindo essa moção que estes reformados que, ao contrário dos outros pensionistas bancários, não vêem as pensões atualizadas desde 2010.

EuroBic também anuncia Verão sem gravata

Mais um banco a aderir à moda de deixar de obrigar ao uso da gravata. Desta vez é o EuroBic, depois do Montepio e do BCP. Lá fora a moda parece ter vindo para ficar.
Comentários