Exploração de lítio pode ameaçar Douro Vinhateiro, alerta consultora da UNESCO

O Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS) Portugal sustenta que os projetos de exploração de lítio previstos para a região “constituem uma agressão”.

Depois da Direcção-Geral da Energia e Geologia (DGEG) lançar uma fase de atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais, como ouro, prata, chumbo, zinco, cobre, lítio, tungsténio, estanho, numa área superior a 500 quilómetros quadros, que abrange sete concelhos, a consultora da UNESCO em Portugal veio lançar uma alerta sobre os riscos para esta região da exploração de minério.

Com uma área de 24.600 hectares, a zona do Douro Vinhateiro é protegida num total de 21 concelhos, e tem diferentes proprietários como entidades públicas e a administração pública, entidades privadas e coletivas, cooperativas e individuais, que representam os viticultores existentes na região.

O Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS) Portugal, consultora da UNESCO, sustenta que os projetos de exploração de lítio previstos para a região “constituem uma agressão ao bem acarretando uma modificação irreversível dos valores paisagísticos e culturais em presença”, sendo que a execução do projeto “significa uma alteração permanente da paisagem, já que são necessários trabalhos que implicam perdas do coberto vegetal”, avança o jornal Público esta sexta-feira, 8 de novembro.

Por outro lado, e com a exploração de lítio nesta região vinícola, é implicada “a proibição da cultura da vinha, cujos processos de mobilização do solo são incompatíveis com o equipamento a instalar”.

Desta forma, o ICOMOS Portugal recomenda “a abertura de uma audiência pública urgente a toda a população que diretamente tem interesse nas ações de salvaguarda, conservação e valorização” da região em questão.

A Liga dos Amigos do Douro Património Mundial (LADPM) também veio a público criticar os projetos previstos para esta região. Estes pedidos de prospeção foram colocados pela empresa australiana Fortescue, que pedia para analisar as 21 áreas de exploração, entre as quais se situa o Alto Douro Vinhateiro, classificado como Património Mundial, e ainda se encontram sem resposta.

A localização da exploração no Alto Douro Vinhateiro está em risco, segundo a LADPM, uma vez que se “encontra inscrita na lista dos Bens Património Mundial desde 14 de dezembro de 2001, na categoria de paisagem cultural, evolutiva e viva”. A LADPM sustenta que com a produção de vinho no local há cerca de dois mil euros e a paisagem moldada pelas atividades humanas fazem com que a zona “forneça um testemunho excepcional de uma tradição cultural viva”.

Ler mais

Recomendadas

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.
Comentários