Os imigrantes cometem mais crimes, a “invasão” em curso e outros “factos alternativos” de Trump

Na antecâmara das eleições intercalares, o presidente Donald Trump intensificou o discurso anti-imigração, ao ponto de lançar um vídeo no qual se associa um homicida de polícias à caravana de migrantes da América Central. Contudo, vários estudos demonstram que a taxa de criminalidade dos imigrantes ilegais é menor do que a dos nativos norte-americanos.

No dia 31 de outubro, a poucos dias das eleições intercalares nos EUA, o presidente Donald Trump publicou um vídeo na rede social Twitter. O vídeo começa por mostrar Luis Bracamontes, um imigrante ilegal (i.e., não documentado) que matou dois polícias na Califórnia em 2014, sorrindo e dizendo que não se arrepende do crime, no julgamento que o condenou à pena de morte em abril deste ano. Por cima das imagens de Bracamontes surgem três mensagens: “Matou a nossa gente!”; “Os democratas deixaram-no entrar no nosso país”; “Os democratas deixam-no ficar”. Seguem-se imagens da caravana de migrantes da América Central que se encontra no México, a caminho da fronteira dos EUA, e no final volta a aparecer o rosto de Bracamontes, culminando na seguinte mensagem: “O Presidente Donald Trump e os republicanos estão a tornar a América segura outra vez!”

Na publicação em causa, referindo-se ao vídeo, Trump escreveu: “É revoltante o que os democratas estão a fazer ao nosso país. Votem nos republicanos agora!” Pago pela campanha de Trump, o vídeo foi transmitido como anúncio em várias estações de televisão (não na CNN, que recusou fazê-lo). Suscitou críticas generalizadas e acusações de racismo e xenofobia, ao ponto de ser cancelado pela NBC e Fox News. A rede social Facebook também bloqueou a “promoção paga” do anúncio. A caravana de migrantes da América Central tem sido um tema recorrente do discurso político de Trump nas últimas semanas. O presidente norte-americano alertou sucessivamente para a “invasão” em curso (embora a caravana ainda estivesse a milhares de quilómetros de distância dos EUA) e, no dia 30 de outubro, destacou mais de cinco mil soldados para a fronteira com o México.

O discurso anti-imigração e a associação entre imigrantes ilegais e criminalidade são centrais na estratégia política de Trump, desde a campanha para as eleições presidenciais em 2016, quando prometeu insistentemente construir “um grande muro” na fronteira entre o México e os EUA. A novidade deste vídeo é que o racismo e a xenofobia surgem de forma tão explícita que até a insuspeita Fox News decidiu cancelar a sua transmissão. À medida que se aproximavam as eleições intercalares, Trump intensificou a exploração do medo relativamente à caravana de migrantes (chegou a ameaçar “responder com tiros” ao eventual lançamento de pedras) e não apenas ao nível retórico. No dia 29 de outubro, por exemplo, anunciou que pretende assinar um decreto para revogar o direito à cidadania norte-americana dos filhos de pais que não nasceram nos EUA. A par de outras iniciativas e declarações recentes, nomeadamente sobre as regras de asilo.

 

Estudos científicos, dados estatísticos e “factos alternativos”

Além do racismo e xenofobia patentes no vídeo, o facto é que as estatísticas desmentem a correlação entre imigração ilegal e aumento da criminalidade. Desde a campanha de 2016 que Trump insiste em dizer que os imigrantes ilegais são uma ameaça à segurança nacional dos EUA, mas acumulam-se os estudos científicos e os dados estatísticos que apontam no sentido contrário. Em fevereiro de 2018, por exemplo, o Cato Institute publicou um estudo sobre os dados de condenações criminais no Texas, durante o ano de 2015. Os nativos norte-americanos foram condenados por cerca de 410 mil crimes nesse ano, enquanto os imigrantes ilegais foram condenados por cerca de 16 mil crimes. Em proporção das respetivas populações, a taxa de condenações dos imigrantes ilegais foi cerca de metade em comparação com a dos nativos norte-americanos.

Outro estudo, publicado em março no jornal Criminology (e baseado em dados relativos ao período entre 1990 e 2014), indica que a taxa de crime violento é substancialmente menor nos estados com maiores percentagens de imigrantes ilegais. Os autores do estudo concluem que a imigração ilegal não gera um aumento na taxa de criminalidade e que, pelo contrário, até poderá contribuir para a sua redução, devido a múltiplos fatores.

“Os democratas deixaram-no entrar no nosso país”, acusa-se no vídeo, apontando para Bracamontes. “É revoltante o que os democratas estão a fazer ao nosso país”, reforça Trump. Ao nível da retórica, o Partido Democrata é mais pró-imigração do que o Partido Republicano, sobretudo desde o advento de Trump à cena política norte-americana. Mas na prática não será tanto assim. De acordo com dados compilados num estudo do Pew Research Center, cerca de três milhões de imigrantes foram deportados dos EUA durante a Administração de Barack Obama (2009-2016), enquanto na Administração de George W. Bush (2001-2008) foram deportados cerca de dois milhões.

Mais conclusões relevantes do estudo: a imigração da América Latina tem decrescido e prevê-se, aliás, que os asiáticos deverão tornar-se o maior grupo de imigrantes nos EUA até 2055, suplantando os hispânicos; segundo uma recente sondagem, cerca de 65% dos norte-americanos considera que os imigrantes reforçam o país, ao passo que apenas 26% diz que os imigrantes são um peso para o país ao nível do emprego, habitação e cuidados de saúde (tal como Trump costuma afirmar).

Em janeiro de 2017, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, mentiu sobre o número de pessoas que estiveram presentes na cerimónia de tomada de posse do presidente Donald Trump, chegando a dizer que se tratou “da maior audiência de sempre”. No programa televisivo Meet the Press, a então conselheira de Trump, Kellyanne Conway, questionada sobre essa mentira e consequente perda de credibilidade do presidente, respondeu da seguinte forma: “O nosso porta-voz, Sean Spicer, apresentou factos alternativos, mas o ponto é que…” E foi interrompida pelo jornalista que, atónito, sublinhou: “Espere um minuto, factos alternativos? Factos alternativos não são factos, são falsidades!”

Ler mais
Recomendadas

Partido de Evo Morales procura candidatos de consenso às presidenciais na Bolívia

O partido do ex-presidente da Bolívia Evo Morales revelou que irá procurar candidatos de consenso para as próximas eleições presidenciais e irá tomar mais tempo a consultar as bases, depois de uma reunião falhada na escolha de potenciais candidatos.

Ucrânia e FMI chegam a acordo para empréstimo de cinco mil milhões de euros

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, anunciou que a organização financeira alcançou um acordo com as autoridades da Ucrânia para um empréstimo de cinco mil milhões de euros em três anos.

Diretor de centro social teme agitação em caso de novo referendo no Reino Unido

O diretor de um centro comunitário na cidade inglesa de Hartlepool, uma das mais pobres do Reino Unido e onde quase 70% dos eleitores votaram ‘Brexit’, teme que um segundo referendo provoque agitação civil no país.
Comentários