À espera da segunda vaga

Os países estão mais bem preparados ao nível das estruturas de saúde e dos comportamentos sociais, mas o risco de descontrolo é significativo.

Passados cerca de três meses desde a proliferação mundial da pandemia, chegamos a uma nova fase na Europa e na América do Norte – a necessária reabertura que permita retomar alguma normalidade e minorar os efeitos económicos dramáticos que resultaram do confinamento. O que se passou nas economias em abril mostra que é necessário tentar reabrir.

A evolução dos novos casos, internamentos e óbitos é encorajadora, embora persista a discussão sobre se as medidas de distanciamento social implementadas foram exageradas. Os números parecem, para já, dar razão a quem defendia um menor contacto entre as pessoas. Nos países que não quiseram ou que não conseguiram atempadamente implementar um confinamento restritivo, houve maior incidência de casos e mortalidade.

O conhecimento acerca do vírus permanece limitado. Ainda não existe um protocolo terapêutico consensual e a vacina parece estar a muitos meses de distância.  Portanto, a reabertura significará arriscar uma segunda vaga da doença e de mortalidade. Os países estão mais bem preparados ao nível das estruturas de saúde e dos comportamentos sociais, mas o risco de descontrolo é significativo devido ao desfasamento entre as medidas e os seus efeitos.

O confinamento teve como objetivo “alisar a curva” para impedir que o sistema de saúde entrasse em colapso.

Em Portugal o objetivo foi conseguido, mas a dificuldade na gestão das próximas semanas advém desse efeito de inércia – se os novos casos dispararem só é possível reagir depois de as urgências voltarem a encher. E é nesta expectativa que a economia mundial agora se encontra. Com a segunda vaga poderá vir também a confirmação de que o pior já ficou para trás.

 

Recomendadas

Coursera prepara-se para entrar em bolsa. Confinamento fez disparar vendas de cursos online

As receitas da empresa de tecnologia educacional dispararam 59% para cerca de 246,3 milhões de euros no ano passado, perante as necessidades de requalificação dos trabalhadores e o tempo (mais) livre para formações em casa.

PremiumAções recuam com ‘rally’ dos juros da dívida

Nas últimas semanas, os mercados acionistas mundiais colocaram em pausa os ganhos devido à subida dos rendimentos das obrigações.

Secretária do Tesouro norte-americano descarta preocupações com a inflação

“Não vejo que os mercados estejam à espera de que a inflação suba acima da meta de 2% que a Fed tem como taxa média de inflação no longo prazo”, explicou Janet Yellen em entrevista ao programa televisivo “PBS Newshour”.
Comentários