PremiumPedro Calado: “A imagem apartidária que Miguel Gouveia transmite é falsa e sonsa”

Candidato do PSD/CDS-PP à Câmara do Funchal diz que o atual presidente da autarquia está a “viver e a sobreviver” à conta do PS-Madeira. E a utilizar recursos camarários na campanha.

Pedro Calado defende que uma eventual derrota no Funchal não teria impacto na coligação PSD/CDS-PP no governo regional. Quanto ao atual responsável pela autarquia, Miguel Silva Gouveia, questiona o seu estatuto de independente. E diz que há recursos da Câmara do Funchal a serem usados na campanha.

O que significaria para si perder as eleições?
Temos trabalhado muito para dar a conhecer o nosso programa, que é muito ambicioso e muito diferente da estagnação que neste momento a Câmara do Funchal vive. Temos consciência de que serão eleições muito disputadas, mas estamos convictos de que vamos ganhar. Se a população assim não entender, e quiser tomar outras opções, a vida continua. Espero que o mundo não acabe a 26 de setembro. Mas uma coisa assumo, e já o disse variadíssimas vezes: o meu compromisso é a 200% com a Câmara do Funchal. Em nenhuma circunstância, nem de vitória nem de derrota, vão ver novamente Pedro Calado no governo tegional. O tema está fechado. Neste momento é só Câmara do Funchal. Se a população assim o entender, ótimo: estou preparado para quatro anos, no mínimo. Se assim não entenderem, a 27 de setembro, quando acordar de manhã, logo vejo o que vou fazer da minha vida. Naturalmente não pretendo viver de subsídios, nem de apoios sociais, vou ter que ir trabalhar, como toda a gente. Irei trabalhar para o privado novamente.

Com uma eventual derrota no Funchal como ficaria a questão da coligação? Poderia haver um impacto no governo regional?
São coisas distintas, até porque a coligação que existe no Funchal não existe noutros concelhos. Existe uma coligação para o governo regional, que está a funcionar muito bem. Cada um tem o seu contributo. No resto da região há concelhos em que vamos coligados e concelhos onde cada partido vai por si. Não acho que se possa tirar daqui qualquer ilação de um resultado, positivo ou negativo.
O que acontecer no Funchal não tem reflexos, diretos ou indiretos, no governo regional?
Essa coligação é para ter continuidade até 2023. Tudo vai correr bem, como até agora. Tem havido um entendimento muito positivo entre os dois partidos. Temos dado um bom exemplo a toda a sociedade do que é gerir em coligação e do que é estar com duas famílias distintas na mesma casa. Não vamos fazer aquilo que sucedeu em 2013 e em 2017. A primeira coisa que Paulo Cafôfo fez foi escorraçar os partidos com que se tinha coligado para ganhar as eleições. Isso não vamos fazer. Queremos trabalhar em equipa. Outra coisa que também não vamos fazer é repetir o exemplo do PS-Madeira nas últimas autárquicas.Cafôfo recandidatou-se para um mandato de quatro anos e, mal começou a sentir o cheiro do poder, abandonou a autarquia ao final de dois anos para se candidatar ao governo regional. Isso comigo nunca vai acontecer.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumPedro Calado: “Temos o objetivo de baixar ao máximo tudo aquilo que existir de receitas municipais”

Candidato da coligação PSD/CDS-PP considera que taxas e impostos têm de ser adaptados à realidade do Funchal e promete reforçar apoios à população ativa com menos rendimentos. “É preferível ter menos receitas, mas haver uma economia pujante”, diz o social-democrata.
Recomendadas

Premium“Não é aceitável que Algarve e Alentejo recebam 5,9% do investimento previsto para a ferrovia”

Para a coordenadora do Movimento Mais Ferrovia, Cristina Grilo, “os transportes são um dos principais problemas do Algarve”.

PremiumBiden vale-se de Aukus para emendar a mão após desastre de Cabul

Aliança entre Estados Unidos, Reino Unido e Austrália é o tema internacional que o presidente norte-americano encontrou para fazer esquecer as críticas por causa da saída do Afeganistão. Mas não é certo que a frente militar criada para tentar travar a China seja um caminho seguro.

PremiumPaulo Cunha: “A Medway investe 63 milhões porque acredita em Famalicão”

O presidente da Câmara de Famalicão que decidiu não se candidatar a um novo mandato, regozija-se por ter batido a concorrência no projeto do maior terminal ferroviário de mercadorias da Península Ibérica.
Comentários