Premium“A música é um estímulo que motiva e interessa crianças com perturbação do autismo”

Para Carina Freitas, médica pedopsiquiatra e doutoranda em ciências médicas e neurociências, muitas crianças com autismo têm capacidades musicais que podem ser estimuladas e aproveitadas.

Quando a música toca o cérebro, provoca em nós uma série de estímulos, desde a alegria, o prazer e a vontade de nos exprimirmos corporalmente, através da dança, até à tristeza e à vontade de nos isolarmos do resto do mundo. O facto de a música ter o poder de nos fazer sentir tantas coisas, dota-a de caraterísticas terapêuticas, que podem ser usadas para combater ou amenizar certo tipo de patologias. A esta prática de utilização da música para efeitos de terapia, dá-se o nome de musicoterapia. “O objetivo é utilizar a música e os seus elementos, como o som, o ritmo e a melodia para promover o desenvolvimento da pessoa, quer seja a nível social, emocional, comunicacional, motor e cognitivo”, explica Sara Teixeira, Mestre em Musicoterapia e Reabilitação Psicomotora. Esta forma de terapia tem uma das suas aplicações nas crianças com perturbação do autismo.

Carina Freitas, Médica Pedopsiquiatra, Mestre em Neurociências e Doutoranda em Ciências Médicas e Neurociências, diz que os primeiros estudos sobre o autismo, remontam a 1943, quando Leo Kanner, um psiquiatra austríaco, faz a primeira descrição dos casos de autismo. Este psiquiatra apercebeu-se de que o seu grupo de crianças autistas apresentava capacidades musicais superiores à média: para além de uma grande memória musical, tinham ouvido absoluto, um fenómeno que consiste na capacidade de alguém identificar uma nota musical sem qualquer tom de referência.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumBolsas europeias renovaram máximos históricos

A última quinzena de maio e o início de junho trouxeram renovação de máximos na Europa, mas em Wall Street já se começa a ver a lateralização.

PremiumDono da Amazon prestes a cumprir um sonho com 40 anos: viajar para o espaço

A primeira vez que Jeff Bezos falou da sua vontade de colonizar o espaço foi em 1982. O que parecia ser um devaneio de juventude não especialmente imaginativo vai ter um ponto alto a 20 de julho, quando o na altura ex-CEO da Amazon voar para lá do limite da Linha Karman.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários