Premium“A música é um estímulo que motiva e interessa crianças com perturbação do autismo”

Para Carina Freitas, médica pedopsiquiatra e doutoranda em ciências médicas e neurociências, muitas crianças com autismo têm capacidades musicais que podem ser estimuladas e aproveitadas.

Quando a música toca o cérebro, provoca em nós uma série de estímulos, desde a alegria, o prazer e a vontade de nos exprimirmos corporalmente, através da dança, até à tristeza e à vontade de nos isolarmos do resto do mundo. O facto de a música ter o poder de nos fazer sentir tantas coisas, dota-a de caraterísticas terapêuticas, que podem ser usadas para combater ou amenizar certo tipo de patologias. A esta prática de utilização da música para efeitos de terapia, dá-se o nome de musicoterapia. “O objetivo é utilizar a música e os seus elementos, como o som, o ritmo e a melodia para promover o desenvolvimento da pessoa, quer seja a nível social, emocional, comunicacional, motor e cognitivo”, explica Sara Teixeira, Mestre em Musicoterapia e Reabilitação Psicomotora. Esta forma de terapia tem uma das suas aplicações nas crianças com perturbação do autismo.

Carina Freitas, Médica Pedopsiquiatra, Mestre em Neurociências e Doutoranda em Ciências Médicas e Neurociências, diz que os primeiros estudos sobre o autismo, remontam a 1943, quando Leo Kanner, um psiquiatra austríaco, faz a primeira descrição dos casos de autismo. Este psiquiatra apercebeu-se de que o seu grupo de crianças autistas apresentava capacidades musicais superiores à média: para além de uma grande memória musical, tinham ouvido absoluto, um fenómeno que consiste na capacidade de alguém identificar uma nota musical sem qualquer tom de referência.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumKKR e BlackRock na corrida à Indaqua

O Citi recebeu propostas de compra de quatro fundos, entre eles o KKR e a BlackRock. Avança agora a ‘due-diligence’ para as ofertas vinculativas.

PremiumBarclays contratado para vender Iberwind

A Finerge é uma das empresas interessadas em comprar a Iberwind. Há cinco a disputar o grupo eólico que em 2015 foi comprado por chineses.

PremiumNovo Banco: Bloco de Esquerda considera “opaco” acordo com Bruxelas

BE já pediu documentos sobre cláusula em que Estado aceitou ser responsável por tudo aquilo que correr mal associado ao Novo Banco.
Comentários